Querido diário – há vida nas cavernas?!

Voltem para as cavernas, aliás, nem deveriam ter saído de lá, não precisávamos assistir a escrotidão das suas perversidades.

Voltem para as cavernas, porque nós precisamos da humanidade de quem nos cuida, de quem está lutando pelas nossas vidas.

Vocês que só pensam no dinheiro, na bolsa, nos ativos, nas commodities, em ter, em possuir, em deter, em explorar, que fixam suas vidas no capital, voltem para as cavernas!

São tempos de humanidade, de solidariedade, de afeto, de empatia, de resiliência, de respeito, vocês não estão à altura desses tempos, voltem para as cavernas.

Não é tempo de especular, abusar, humilhar, menosprezar, voltem para as cavernas.

É tempo de cuidar, vocês não sabem o que é isso, voltem para as cavernas.

Vocês que soltaram a sua desenfreada bestialidade e arrogância, voltem para as cavernas.

Não estou falando das cavernas de pedras, da natureza, onde os primeiros humanos se refugiaram, como também os animais. 

Estou falando da caverna escura, inabitável, profunda, buraco soturno, onde se escondeu cada alma de vocês.

Voltem para as cavernas, nos deixem viver!

Querido diário – Pandemia e Pandemônio

Uma amiga questionou, nessa semana que passou, o motivo, o porquê desta pandemia, buscando sentido em tudo o que estamos passando.

Eu também não entendo.

No início achei que era um choque para a perdida humanidade, para que retomasse um rumo, um caminho mais humano de viver.

Agora, vendo no Brasil tanta gente aflorar a mesquinhez, os piores preconceitos, egoísmos e agressividades, colocar para fora o seu pior lado, eu me pergunto, até onde vamos?! Temos limites para o execrável?!

Parece lei de Darwin, cada dia fica mais aparente a falta de importância que certas castas dão à vida, alheia.

Me lembra Darcy Ribeiro e o carvão.

A nossa sociedade é uma sociedade enferma de desigualdades, suponho que a causa básica está em que somos descendentes dos senhores de escravos, fomos o último país do mundo, nós e Cuba, a acabar com a escravidão e a escravidão cria um tipo de senhorialidade que se autodignifica, que se acha branca, bonita, civilizada, come bem, é requintada, mas que tem ódio do povo, trata o povo como carvão para queimar. Então, na realidade, é uma classe dominante de filhos de senhores de escravos que vê o povo como a coisa mais reles, não tem interesse em educar o povo e também não tem interesse em que o povo coma.”

O Brasil que assisto me assusta, me apavora! Percebo a lei do mais forte se aproximando e posso ouvir a turba dos raivosos. Essa minoria não tem nenhuma empatia.

Os mais fortes e os que tiverem mais recursos financeiros realmente vão sobreviver, não se importam com quantos vão morrer, desde que o seu quinhão fique garantido, falo de uns poucos, que são aniquiladores.

Não é só sobre o coronavírus, é a miséria, a fome, é assistir à fratura exposta do que disfarçamos, do que e de quem era invisível, as fissuras econômicas e sociais abertas e sangrando. Quem realmente as vê?!

Parece o horror retratado nas obras de Dante Alighieri. Me parecia impossível a existência daquele mundo, hoje me vejo vivendo nele. 

No mundo real, não nessa realidade paralela em que vivemos, os agentes da saúde são dignificados e não agredidos, vejo Nova Iorque cantando, todos os dias, às 19h, New York New York, para quem está trabalhando para salvar vidas, na Europa batem palmas.

Não reconheço esse país aonde vivo.

Ainda bem que tenho uma bolha de humanistas com quem convivo, nos falamos e nos dizemos, vai passar, esse pandemônio vai passar!