Despedida

As vezes a vida te impede de estar perto das pessoas que são importantes para você, as vezes os caminhos trilhados foram diferentes, mas o que verdadeiramente importa é que o seu coração te diz, o que realmente sente, aquilo que nunca será apagado. Independente do tempo que separou, ou da situação que afastou, o que importa é o que o seu coração te fala, e o saber do quanto aquela pessoa foi especial.

Hoje uma das pessoas especiais da minha vida se foi, eu não tenho como me despedir, mas queria registrar aqui o quanto foi presente na minha vida, independente do tempo, da distância ou dos caminhos escolhidos que nos afastaram.

Que Deus o abençoe e acolha!

Vó Olga

A maior parte das minhas receitas vêm dela, sem ela não haveria nenhuma, sem a influência da vó Olga na minha vida. Com ela aprendi a cozinhar e apreciar a boa comida.

Era só ficar ao seu lado e olhar essa mulher que acordava as 5h para acender o fogão a lenha, bater manteiga, fazer o pão, os bolos, os doces, as geléias, matar a galinha, assar o frango, produzir a linguiça e os embutidos, os doces em calda e em pasta, os sucos, podar as parreiras e as árvores, para ter maior produção no ano seguinte.

Era tanta coisa que ela fazia durante o dia e a melhor coisa era seguí-la de uma atividade para a outra, observando essa mulher tão calada quanto dinâmica.

Na sua mesa nunca faltava comida, nunca, nem nos intervalos entre as refeiçoes, tinha sempre lá café, leite, pão, manteiga e geléia, para quem quisesse chegar, tudo feito em casa.

Não há neto que não tenha sido tocado pela sua presença ou ganho um bolo absolutamente recheado de aniversário.

É tanta lembrança boa, nossa, como tenho isso…

Esse mês, o dia 26 é consagrado aos avós, feliz dia vó! Meus parabéns a todos os que são avós e avôs aqui na página!

A vó Olga já se foi, mas hoje tem bolo no céu! Beijos

Renè

“A Rene foi embora com o dono dela ontem.Foi dormindo.”

Foi a mensagem que recebi da minha cunhada hoje.

Meu irmão sempre criou cachorros, mas ele sempre ficaram no pátio, ele tinha uma verdadeira paixão por pastor alemão.

Quando ele resolveu adotar a René leu tudo o que podia sobre a criação de um cachorro dentro de casa e ela o acompanhou lado a lado, até a morte dele.

Fez parte da família e esta foto foi feita em abril, quando meus netos e filhos estiveram lá, ela fazia a festa das crianças, mesmo já estando velhinha, a véspera do seus 18 anos.

Acompanhei esses últimos dias, voltei de Pelotas na segunda-feira, queria ao menos poder estar hoje com a Nica, que desde 2006, quando meu irmão se foi, teve a companhia da Renè sempre ao seu lado.

Como ela mesmo disse na sua mensagem, a Renè hoje foi encontrar o meu dindo, seu dono, que era apaixonado por ela.

9 de abril – The Forgiven

Cláudia Hartleben

Cláudia, abril sempre foi um mês difícil, mês da morte do meu pai, dia 13; o dia 9 ficou marcado para sempre, porque te tiraram de nós. Para mim é um mês triste…

Assisti The Forgiven, um filme, parte de uma das missões mais difíceis dadas por Nelson Mandela ao arcebispo Desmon Tutu, comandar a comissão de reconciliação entre torturados e torturadores na África do Sul, a TRC, para restaurar a justiça, depois do Apartheid.

Chorei horrores, porque lidar com a nossa incapacidade, inércia e impotência é muito difícil, dar o perdão cristão mais ainda.

Este filme veio numa hora fundamental, ele me lembrou de tudo que o ser humano é capaz de fazer tanto de bem quanto de mal.

O que mais doeu em mim e me fez desabar ao assistir esse filme foi uma mãe pedindo ao arcebispo que, por favor, encontrasse pelo menos um ossinho da sua filha, para que ela pudesse ter um enterro digno, um lugar para chorar.

Acho que é assim que nos sentimos ao chorar por ti, não temos esse lugar, não temos justiça, nunca mais te veremos e um dia a tua história, linda, ficará no esquecimento.

Manifestação por Claúdia Hartleben – 3 anos de desaparecimento
Hoje, 9 de abril/2018, 13h
Foro de Pelotas
Avenida Ferreira Viana, 1134, Areal
#Pelotas – #RS

Natal – Van Dike

Eu estou pensando em você hoje porque é Natal, e eu lhe desejo felicidade.

E amanhã, porque será o dia seguinte ao Natal,

Eu ainda lhe desejarei felicidade.

Eu posso não ser capaz de lhe falar sobre isto diariamente,

Porque eu posso estar ausente, ou nós podemos estar muito ocupados.

Mas isso não faz diferença.

Meus pensamentos e meus desejos estarão com você da mesma forma.

Qualquer alegria ou sucesso que você tenha, me fará feliz. Me iluminará por todo ano.

Eu desejo a você o Espírito do Natal.

Van Dike

Pavê de chocolate – uma das minhas saudades

 

image-1.jpg

Atenção – Precisa de tempo para gelar  – 6h

É pavê, o melhor pavê de chocolate da minha vida, minha avó fazia em ocasiões especiais, véspera de ano novo, por exemplo!

Estou revivendo essa lembrança  de criança, porque minha avó fazia ser especial, principalmente as comidas, que eram maravilhosas.

Vamos para a receita:

• 1 caixa de chocolate 200g – de muito boa qualidade

• 1/2 k gordura de coco

• 1 pacote de biscoito champanhe

• 6 gemas

• 6 claras batidas em neve

• 1 xícara de nozes ou cereja em calda ( o que você preferir)

• 12 colheres de açúcar

• 1 xícara de cafezinho de licor

• leite para umedecer os biscoitos

• óleo para untar o prato

• papel alumínio

Faça uma gemada com as gemas e o açúcar, misture o chocolate, derreta a gordura de coco (não ferva, só aqueça levemente para derreter) e incorpore à gemada com o chocolate, por fim misture as claras batidas em neve lentamente.

Unte uma vasilha funda, de preferência retangular, com óleo, coloque um pedaço de papel alumínio untado com óleo no fundo, coloque uma camada de creme de chocolate alternando com o biscoito champanhe molhado no leite com licor (nozes, amareto, amarula ou chocolate), entre cada camada salpique as nozes ou cerejas,  finalize com uma camada do creme.

Leve ao congelador por 6h, retire do gelo 20 min antes de servir, vire em um prato raso, o pavê vai escorregar, retire o papel alumínio puxando com cuidado, corte em fatias para servir. A textura é cremosa e firme.

O sabor é forte, bem forte! Um vendaval no paladar!

Dica para sobremesa Nozes

nozes

Torta de nozes da vó Olga

As melhores receitas de nossas vidas são aquelas que aprendemos com o coração, essa sem dúvida para mim é uma delas.

Na época que as nozes pecãs amadureciam e eram secadas ao sol, na Cascata (um distrito de Pelotas/RS), minha avó Olga se preparava para, junto com as irmãs, ir à chácara da irmã Elza preparar as tortas de nozes.

Era um encontro em família, fui muitas vezes, dá aquela saudade de infância…

Essa receita aprendi vendo ser feita, como muitas em minha vida, então tive que adaptar para passar aos outros.

Acredito que seja a minha torta de maior sucesso, já agradou até a um Presidente da República, que nas festas de final de ano perguntava, vai ter a torta de nozes?!

Aproveita que o Natal está chegando e tenta fazer, é fina, sofisticada e sem maiores dificuldades para ser feita. Se você não gosta de nozes tenta trocar por amendoim levemente torrado ou coco ralado grosso com a casca interna, todas deliciosas.

  • 500 g de nozes
  • 8 claras batidas em neve
  • 16 colheres de sopa açúcar
  • 8 gemas coadas
  • 3 ovos inteiros coados
  • 1 colherinha de essência de baunilha
  • 20 colheres de sopa de açúcar
  • 1 xícara de cafezinho de farinha de rosca
  • manteiga para untar
  • farinha de rosca para polvilhar

Triture as nozes pulsando o liquidificador de leve e reserve. Bata as claras em neve e acrescente o açúcar (16 colheres) aos poucos até ficar muito bem batido e firme, junte as nozes e a farinha de rosca mexendo suavemente. Unte uma forma com a manteiga, polvilhe com a farinha de rosca e leve para assar em forno baixo (180°C ou menos) por 30 min ou até enfiar o palito e ele sair limpo.

Coe as gemas e os ovos passando por uma peneira, junte o açúcar (20 colheres) e a baunilha e leve ao fogão em fogo baixo até engrossar, cuidado para não deixar talhar, assim que engrossar e começar a formar bolhas tire do fogo, continuando a mexer para esfriar um pouco.

Desenforme a massa de nozes quando esfriar e jogue o doce de ovos por cima. Decore com metades de nozes em cima.

Caso você não goste de ovos moles, faça um doce de leite condensado e leite, uma lata de cada, engrossado com parte das gemas como cobertura, textura cremosa mole.

Espero que você goste tanto como eu gosto, como minha avó gostava e como minha mãe, meus filhos e netos gostam também!

Bofetada

Essa semana eu estava no hospital acompanhando minha mãe, que tem uma médica maravilhosa doutora Vera Magally, e em determinado momento ela me falou do caso da Cláudia, por conhecer a minha amizade e também por ser professora da mesma universidade. Me disse: Adriana tu não superastes isso, alguém está te ajudando como médico?! Aí eu respondi que tinha um cardiologista, um endocrinologista, um neurologista, um ginecologista, um otorrino, médicos como ela não, que trata da minha mãe como um todo, eu só tenho médicos que tratam partes da Adriana e não Adriana como um todo.

Quando meu irmão morreu, eu falei pra ela, foi muito triste era meu único irmão, gravemente doente, eu entendi o momento terrível na vida dele, triste me conformei. O desaparecimento da Claudia, da minha irmã, aquela que universo me enviou, foi uma bofetada na minha cara. Essa bofetada dói e arde até hoje. Eu não consigo me recuperar, por mais que eu tente.

Toda vez que eu vou a Pelotas eu volto para despedidas, no caso da minha mãe, agora com 92 anos, e que já superou tantos acometimentos naturais da idade e com a ajuda da Dra. Vera, são sempre pequenas despedidas.

Eu sei que em breve eu terei que me despedir de verdade, entenderei pela idade, e, por tudo que ela já viveu, eu serei grata.

Ainda não consegui ter esta grandeza de sentimento no caso da Cláudia. Quem fez isso com ela, no auge da vida dela pessoal e profissional, não atingiu só a ela, atingiu a dona Zilá, a tia Maria e a todos que a amaram e a amam e não a esquecem.

Pelotas

IMG_20171104_122422304_HDR_2

Pelotas é uma cidade linda como diz uma amiga, a pequena Paris, mas muito mal valorizada no seu aspecto turístico. Eu particularmente não entendo como faz tão pouco sucesso, parece com Paris, com Buenos Aires, com a parte antiga de Montevidéu.

Possui uma praia, na lagoa dos Patos, o laranjal, que é um dos lugares mais bonitos onde eu já vivi e, mesmo tendo viajado, para mim, é um dos lugares mais marcantes, com pôr-do-sol lindíssimo, nascer do sol mais bonito ainda, quando o luar brilha prateando a lagoa é uma coisa fantástica.

Eu poderia ficar aqui falando sobre os aspectos turísticos de Pelotas, mas não é isso que eu quero abordar hoje.

Estou voltando pra lá na em breve. Apesar de ser consciente da beleza da minha cidade, não é um lugar para onde eu gosto de voltar. Para mim é o local onde eu comecei a perder os meus queridos, pessoas com quem eu convivi e a quem amei e que não estão mais comigo, ou que em breve partirão. Conforme me aproximo da cidade o coração vai apertando.

Já estive lá a passeio, junto com o meu marido, que foi para conhecer, isso ajudou bastante a segurar a minha onda.

Quando retorno sozinha, com para ver minha mãe idosa e doente, sempre fica mais difícil, as decisões sempre acabo tendo que tomar sozinha, pesa.

Peço aos céus que sempre me orientem e me guiem, nessa viagem, na vida e, principalmente, em Pelotas.

Flores e indignação

 

Nós duas sempre gostamos de flores, acho que elas nos dão uma beleza que alivia a alma, trazem um certo alento para tudo aquilo que não conseguimos engolir. A beleza de um jardim nos faz viajar, o seu perfume inebria.

Estou indignada com o mundo, com a violência, não falo só dos assassinatos, dos assaltos, tem aquelas disfarçadas pelos colarinhos brancos e pelo dinheiro errático.

Me pergunto como alguém consegue enriquecer às custas da fome de outrem, da moradia, da saúde, como?! Como pode ser feliz com aquilo que falta ao seu semelhante?! Que ética traduz essas vidas? Como alguém consegue fazer fortuna com a miséria humana?!

Não consigo compreender esse mundo, não vejo como as pessoas podem ser solidárias a dor alheia na caridade, se seus ganhos são oriundos da desgraça dos outros. Moradias que desmoronam por falta de cimento, doentes que morreram com o desvio de medicamentos, criança com fome que deixa de comer a merenda que não chegou, por desvio dos recursos públicos, pessoas desatendidas pelo profissional que faltou.

Ninguém refletiu ou se julga ao menos responsável?! Quem vai se punir pelo tempo perdido? Quem vai se responsabilizar pela dor causada? Até quando vamos nos desculpar pela inércia e descaso?! Até quando continuaremos dizendo que não nos cabe?! Por que aceitamos tão facilmente as desculpas?!

O ano todo transcorreu sem que o teu processo Cláudia tivesse sido devidamente analisado, por quê?!  Por que ninguém conseguiu saber o que aconteceu contigo?! Por que não temos nenhuma resposta?! Quem vai nos dar alguma justiça?! Quem daqueles que podem fazer alguma coisa ainda se importa contigo?!

Eu que nunca acreditei em inferno hoje espero que os pecados sejam ao menos pagos por lá, espero que realmente exista justiça divina. Estou furiosa com a injustiça dos ditos humanos.

E as flores?! O que elas têm a ver com a minha indignação e todas essas questões?! Ainda consigo olhar para as flores e perceber alguma beleza, sei que neste mundo ainda tem quem se importe, é com essas pessoas que poderemos contar, certamente elas também acham que flores nos dão alento na aridez da vida.

Ainda quero ver e sentir a beleza das flores…

 

*Escrevi este texto em outubro de 2016, mas como ele ainda é atual no Brasil de hoje !Último dia do mês de outubro presto minha última homenagem no mês de aniversário de minha amiga irmã, Cláudia Pinho Hartleben.

Carta da D. Zilá para sua filha Cláudia – 29/10/2017

Claudia minha filha, 29/10/2017, há a cinquenta anos Deus colocava dentro do nosso lar uma estrela e junto com ela a luz, o amor e a felicidade.

No teu álbum de bebê escrevi este pensamento: trabalha estuda e ama, pois do trabalho vem o progresso, do estudo a luz e do amor a felicidade. Conquistastes tudo isso, eras a nossa menina de domingo.

Ficastes no lugar do teu pai , nos davas amparo e segurança, mas um dia a maldade te tirou de dentro da tua casa e te tirou também a vida, aquela que só Deus podia tirá-la.

Continuas conosco filha, em cada árvore, em cada flor.

Que Jesus te abençoe e te guarde e Maria santíssima te cubra com seu sagrado manto, te amamos!

Mãe.

Hoje a poesia é minha

bom dia poesia

e todos os dias de minha vida

que pulsam e me expulsam de mim

para sair e não voltar

para voltar e não sair

daqui desse lugar

viajar até não mais poder

regressar ao meu recôncavo

ingressar na tua fúria verbal

acolher tua inspiração carnal

ver minha contextura

estrutura, metáforas

e escoar-se da invasão

dalheia privacidade alheia

alienação, enlevo, perturbação

voar até ti, sentir o teu eu

e fugir … de leve … de tudo

bom dia poesia!

(Adriana Fetter)

Bullying

LND_24171BFF-7457-49BF-8637-AC4796C4C469

 

Eu e o meu marido somos muito amigos, amigos de verdade, daqueles que conversam e seguram a onda um do outro, companheiros de vida.

Conversando, sobre um monte de coisas, ele me perguntou sobre a minha infância e eu respondi: era uma criança triste, solitária, é assim que lembro de mim.

Recordo que eu passava horas e horas no jardim, colhendo plantinhas, fazendo comidinha, sozinha ou na frente da televisão.

Quando não estava no jardim eu estava na casa da minha vó, na do meu irmão e cunhada, ou na escola.

Comecei ir à escola muito cedo, eu tinha três anos de idade e gostava, sempre gostei.

Ainda mantemos contato com os nossos colegas de colégio, temos um grupo. Um colega, esse ano me falou que eu era muito brava, que a minha cara estava sempre fechada. Fui olhar as minhas fotos da escola,  é verdade, mas eu não era brava, aquilo era defesa, eu vivia no meu caracol.

Eu tive alguns problemas de relacionamento na escola, mas a minha verdadeira realidade de bullying era em casa, na minha família infantil.

Eu era diferente, gordinha, cabelo preto, olhos, castanhos e muito quieta. Na minha casa, acabava sofrendo agressões de pessoas muito próximas, com a mesma idade ou um pouco mais velho. Chorava, mas não dedurava, pensava em como superar, ainda tenho marcas no corpo de algumas agressões.

A escola era um refresco. Lembro de muitas brincadeiras, de cantiga de roda, elástico, pula-pula, queimada.

Não que eu fosse completamente adaptada, gordinha, eu não era simpática, fechada, eu era considerada nerd, porém minhas lembranças são boas.

Os maiores problemas de relacionamento e rejeição vieram na pré adolescência, onde eu virei um bicho meio desengonçado, epilética, tinha convulsões dentro de sala ou no corredor da escola. Fala sério, chama a atenção de uma maneira super desagradável.

Ao mesmo tempo que colegas me restringiram, outros me abraçaram, principalmente duas grandes amigas, que guardo no meu coração com muito amor.

Lembrei de um colega que um dia chegou pra mim e me disse: não vou te convidar mais para as minhas festinhas, afinal de contas ninguém te tira pra dançar. O irreal disso tudo é que eu gostava das festinhas, mesmo não dançando, eu estava com amigos e colegas, mas ele preferiu me afastar.

Creio que a minha tristeza se tornou mais intensa porque eu perdi meu pai muito cedo, com 10 anos, e a minha pré adolescência ficou mais difícil, ele era uma fonte de carinho.

Entretanto, o que eu quero falar sobre bullying, é que o nosso maior suporte vem de dentro, do interior, dos valores que os que nos amam nos transmitem. A gente busca apoio nas pessoas próximas e amigas, sejam da família ou não, esteio naquilo tudo que se vive de bom.

Eu lia muito e via muita TV, eram um refúgio e proporcionavam muitas viagens. Até hoje eu lembro de Pollyanna e Pollyanna Moça. Por mais que esses livros sejam hoje considerados excêntricos, démodé, naquela época eles me ajudaram a procurar e encontrar o lado bom da vida.

Resolvi escrever sobre isso, bullying, pelo que está acontecendo no mundo, tem muitas pessoas criticando, apontando dedo, fazendo das palavras uma arma, principalmente nas redes sociais.

Não façam isso, repensem antes de agredir, revejam a suas posturas e palavras. Eu sempre digo que quando nós apontamos o dedo pra alguém, existem três dedos apontados para nós.

Se o silêncio é de ouro, escutar os outros é de platina! Dediquem tempo para ouvir quem vocês amam. Ouvir é necessário, crianças precisam de atenção, muito mais que presentes.

A vida está precisando de palavras doces, mais afagos, abraços, compreensão e, principalmente, de mais amigos, porque amigos nos salvam, muitas vezes.

Pode-se falar qualquer coisa,  dizer coisas duras, colocar limites, mas o importante é saber como dizer, saber como fazer a crítica construtiva, porque destruir é muito fácil, machucar, magoar é o que mais acontece.

Construir amizades, acrescentar pessoas as nossas vidas é um exercício diário de amor.

E, se tem uma coisa que esse mundo está precisando, é desse ensinamento, amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei.

Ahhh, só para completar, sou uma pessoa feliz, encontrei muitas pessoas que me amaram e me amam pela vida, a quem amo eternamente.

Mê de aniversário do meu pai – feliz aniversário pai, a você o meu eterno amor!

Quando eu era criança…

O patinete era de madeira e o motor era o meu pé. As brincadeiras eram na rua e no jardim da casa. Passava a maior parte do meu dia fora de casa. Televisão era coisa rara que só se via a noite. De dia a gente brincava, lia gibi ou livrinho de estórias.

Brincar na rua era o máximo, nós aparecíamos para o almoço, para o café da tarde e para o jantar, esse era o compromisso com nossos pais, no mais havia liberdade de ir e vir, correr, brincar, tomar ar puro o dia inteiro.

Nesse dia das crianças eu desejo mais pipas a serem empinadas com crianças e seus pais, mais cantigas de roda, mais bolinha de gude, mais cinco Marias, mais pular elástico, mais pique-esconde, mais corre-corre, mais queimada de bola, mais banho de chuva e muito mais ar puro.

Que possamos todos nós adultos fazermos nossas crianças felizes!

Meseiras

Se vocês não conhecem esse nome não se preocupem, eu até pouco tempo atrás não conhecia também.

Fui convidada por uma amiga para integrar o grupo de meseiras de Brasília, grupo muito grande são 70.000 pessoas, que se dedicam a compartilhar idéias sobre uma boa mesa. Isso me trouxe muitas lembranças.

Aqui em Brasília, pela correria do dia-à-dia, nunca desenvolvi o hábito comum em minha família que era o de colocar uma linda mesa para todas as refeições. Minha mãe tinha todos os talheres, jogos de água e porcelanas que vocês possam imaginar. Toalhas lindas bordadas a mão, de linho importado, muitas delas ou bordada por ela ou pela minha avó.

As mesas postas eram muito bonitas, e as quartas-feiras havia uma refeição formal, na sala de jantar, para que nós, os filhos, fôssemos introduzidos às regras de etiqueta e da boa mesa. Também servia para receber e reunir amigos em família, ou parente que estivesse visitando a nossa casa.

Eu nasci em Pelotas e minha madrinha morava em Porto Alegre, sempre que ela vinha em viagem participava desse almoço e era o momento de festa para mim. Deixa eu explicar, minha madrinha nunca casou, eu era sua queridinha, como ela carinhosamente chamava, na sua casa as mesas eram lindas, para mim um exemplo, colocava, para qualquer refeição, mesas impecáveis. Eram guardanapos de linho bordado, descansa talher, porta guardanapo, porcelana, todos os serviços herdados da minha avó paterna, ou que ela havia adquirido ou feito durante a sua vida, porque ela era uma exímia bordadeira.

Os móveis de jacarandá e as pratarias acompanhavam aquela beleza, sim, porque antigamente uma boa mesa era toda forrada por cristal e prata.

E, as quartas-feiras, na minha casa, também era assim. Talheres dispostos de fora pra dentro, para cinco tipos de pratos a serem servidos. A começar pela sopa depois, a salada, o prato de peixe, o de carne, e, finalmente, as frutas e a sobremesa.

Para cada prato um talher específico. Os copos acompanhavam os pratos, o jogo de águas, o de vinho branco, de vinho tinto, de água. Depois o licor e qualquer outro o que fosse necessário, se houvesse conhaque haveria de conhaque também.

No meio da mesa um bonito arranjo de flores disposto em um prato de prata específico para tal ou numa jarra.

Esses pequenos detalhes vieram de toda uma época onde as pessoas recebiam de presente de casamento porcelana inglesa, jogos de talheres de 24 peças de cada, jogos de água de cristal. Deixa eu explicar, os jogos de águas nada mais é do que todos os tipos de copo que você possa utilizar uma refeição, e todos eles eram de cristal.

essa época não nos acompanha mais, até pela questão econômica. As mulheres se preparavam a vida inteira para o seu casamento e era ensinadas a abordar o seu enxoval, então haviam muitas toalhas de linho bordado, desfiado e richelieu, ponto cheio, sombra, rococó, tantos que vocês bem imaginam. Eu conservo duas toalhas dessas, bordadas pela minha mãe, infelizmente amareladas pelo tempo, mas de uma beleza inigualável.

Esses hábitos não me acompanharam pela correria do dia-a-dia e praticidade que nos impõe. Sempre trabalhei 40 horas, estudava também, havia preocupação com os filhos sobrava pouco tempo para essas decorações.

Desculpem o texto tão longo, muitas recordações. Escrevo todos os dias meu blog, onde reúno assuntos que acompanhei na semana, preocupações, dicas, sobre viagens, receitas, lembranças, ou seja, um verdadeiro almanaque, que publico na minha página do Facebook. Quis compartilhar com vocês a beleza que me encanta até hoje sobre essas recordações e de participar desse grupo que me fez relembrar de cada detalhe.

Minha amiga Zezé

Parei o meu trabalho e fui correndo para o banheiro, fazia um tempão que eu queria fazer xixi. A única coisa em que eu pensava era num banheiro, naquele momento.

Entrei, fechei a porta do box e aí vi que alguém entrou no momento em que eu falava, nossa como eu estava apertada.

A pessoa do outro lado falou comigo, nossa também estava, me disse ainda, sabia que faz mal ficar  retendo xixi?! Que não se deve fazer isso?! A gente devia ir ao banheiro sempre que  sentisse vontade, e eu concordei. Realmente!

Do outro lado a pessoa ainda me falou, um médico me disse que se você sofrer um acidente com a bexiga cheia você pode estourar sua bexiga, isso é uma coisa quase irreversível, os médicos condenam, fora os problemas que podem causar aos rins.

Mais uma vez eu tive que concordar, aquilo fazia muito mal. E assim ficamos, batendo um papo sobre xixi, enquanto as duas esvaziávamos nossas bexigas.

Quando terminamos saímos para lavar as mãos .

Aí eu olho para o rosto daquela voz que me pareceu tão familiar, tão íntima e tão perto de mim o tempo todo, era ninguém mais, ninguém menos do que Zezé Motta, com um enorme sorriso, a minha amiga Zezé!

A magia dos nossos jardins

Lembro da casa em que nasci e de toda a magia que ela sempre incutiu em mim com seus cheiros e cores.

A casa em si era cinza, de cimento penteado, com janelas verdes escuras, tinha um lindo jardim e um pátio de sonhos, cheio de magias, aquelas que as mentes das crianças, ainda intocadas pelo mundo, tem.

Na frente havia uma escada de mármore branco, margeado por outro azul, lindo. Para mim os degraus eram bancos, reconfortantes depois de correr em volta da casa.

O muro tinha desenhos e recortes, era a montanha russa dos meus pés, caminhar sobre ele era uma aventura, cheia de desafios, quanto mais rápido melhor.

O jardim tinha flores de diferentes cores e aromas, na frente, bem no centro, as amarelas fortes, quase um laranja, cabos bem fininhos e altos que desafiavam a gravidade, depois as papoulas vermelhas, de pétalas tão finas e sedosas, me lembravam asas de borboletas.

A grama era entrecortada por pedras de granito. Os quadrados irregulares, faziam os caminhos a serem percorridos.

De um lado sempre bateu mais sol, porque a casa ficava mais para a direita do terreno, não foi centralizada propositadamente, para se fazer a estradinha de granito cortado até o final, onde ficava a garagem.

No muro alto que ladeava havia um roseiral, rosas grandes, rosa claro, saiam de troncos retorcidos, ali tinham uma convivência harmoniosa com as orquídeas, em sua maioria chuva de ouro e  com a hera que recobria o cimento, deixando o cinza verde.

Do outro lado, na parede mais solar, havia um canteiro cavado no solo, cujas laterais possuíam pequenas corredeiras de cimento, que escoavam as chuvas no terreno inclinado, o meu pequeno rio, onde foram depositados muitos barquinhos de papel.

Flores diversas, de muitas cores, tamanhos e variedades faziam a minha festa, margaridas, bocas -de-leão, onze horas. Lembro de uma, especialmente, cuja a seiva depositada nas pétalas era de uma doçura ímpar, intercalava o sabor com as azedinhas. Muito mais tarde alguém me falou que era tóxica, não me fez mal algum…

Ao fundo espadas de São Jorge e de Santa Bárbara ornavam as multicoloridas flores.

Do outro lado,  que deveria ser o sombrio, moravam as hortênsias, azuis, rosas e brancas, sentia ao passar o perfume que vinha do solo, cheiro de umidade e terra preta, profundo, ainda consigo lembrar de cada um dos aromas desse jardim, ficaram impregnados na minha memória.

No pátio, ao fundo, eu tinha a minha floresta particular, formada por abacateiros, limoeiros, árvores de uva japonesa, pitangueira, bergamoteiras, nêspera doces, árvore onde eu subia para ver a floresta de cima, todas frutíferas e podia ver a parreira de uvas, onde fazia o piquenique imaginário.

Havia uma escada de cimento nos fundos, alta, mais inclinada que a da frente, e outra igual entre as hortênsias.  Subir e descer era uma aventura. Mais ainda a das hortênsias cuja porta estava sempre fechada por segurança, mas para mim isso tinha todo um mistério.

Embaixo de cada escada havia uma porta que levavam às cavernas, isso no meu imaginário infantil. A da frente só era aberta vez em quando, para guardar as ferramentas do jardim, soube muito tempo mais tarde. A de trás levava ao tanque e a sala de lenha, tanto para a lareira no inverno, quanto para o fogão de ferro da cozinha.

Na  lateral a porta levava para um salão onde minha tia dava aulas de francês,  o porão, onde eu moraria após a morte do meu pai.

Vivi muitas aventuras em meu jardim, criei muitas outras imaginárias, a cada estação ele mudava, sempre havia flor brotando, frutas amadurecendo, cheiros novos no ar. Talvez ele nem fosse tão grande como eu imaginava, mas era grandioso, efervescente, vibrante e possibilitou que o meu imaginário infantil viajasse por mundos desconhecidos, me deu asas, sonhos, viagens mil.

Até hoje consigo me refugiar nele, quando preciso de calma e concentração é para lá que viajo. Essas lembranças sempre me conectam contigo, também tinhas um jardim cheio de flores, um pátio cheio de aventuras, que rica vida foi ali vivida. Quantos sonhos não podes mais viver…

Texto dedicado a Cláudia Pinho Hartleben, amiga desaparecida.

Suco de laranja

Eu chegava correndo da escola e ía para cozinha espremer as laranjas. A tarde era praticamente só o que ele conseguia engolir.

A doença já tinha tomado o corpo e ele teria pouco tempo de vida, eu não sabia. Eu não tinha a noção que era tão grave, mas fazer o suco me fazia bem.

Hoje me faz bem pensar naqueles dias e saber que pude contribuir com alguns momentos de bem estar dele.

Entregava o suco ele bebia e nós ficamos ali um do lado do outro curtindo aqueles momentos, para mim bastava ficar do lado do meu pai.

Por algum tempo depois da morte dele, quando via o carro estacionado na frente de casa, eu ainda saia correndo para espremer as laranjas, até que caiu a ficha, ele não estava mais conosco.

Meu pai sempre me proporcionou momentos muito especiais. Como ele sabia da doença dele, aos 10 anos dançou a primeira valsa comigo. Me levou de barco no meio da Lagoa para ver o nascer do sol e também me levou para ver a lua nascendo. Momentos muito marcantes, que me acompanharam pela minha vida.

Ele faleceu um mês antes do meu aniversário de 11 anos.

O texto de hoje foi triste, porque foi feito com saudades. Saudades de um tempo bom, pouco tempo, mas tenho lembranças incríveis do tempo que eu passei com meu pai.

Recordações de muito amor que ele me deu.

Parabéns pai❣️

Princesa Diana

Ainda lembro nitidamente a madrugada em que ela se casou. Eu fique acordada só pra assistir o casamento na Inglaterra. A transmissão foi de madrugada, eu vi numa televisão preta e branca, estava na praia, não lembro porque estava lá, no laranjal, e o casamento foi lindo.

O vestido dela acabou ditando moda, todas as noivas daquela década praticamente se casaram com mangas bufantes.

Sempre fui uma fã da pessoa, da postura, mas ela tinha um olhar muito triste. Mesmo no casamento eu achei que olhar dela estava triste, anos depois eu soube que ela tinha visto dentro da igreja a amante do marido.

Não deve ter sido nada fácil ser da realeza, ter tantos compromissos, ter todas aquelas regras a serem seguidas, viver dentro de Palácio cheio de etiqueta e ser perseguida por paparazzi a vida inteira.

Acho que ela foi muito mais feliz depois que se separou e nobremente deu um rumo a sua vida nas campanhas e luta contra a Aids e contra as minas terrestres, aí sim eu acredito que sua vida teve sentido.

Todas nós vivemos um pouco a vida da lady Dy, suas alegrias, a sua maternidade, as suas desilusões. Todas nós sempre tivemos um pouco do sonho da princesa, mas vimos o sonho dela virar pó e sofremos também com isso. Então assistimos a fênix renascer das cinzas e isso renovou nossas esperanças a felicidade.

Senti muito a sua morte achei injusta, no momento em que ela parecia estar feliz, lutando pelos seus objetivos.

Ela foi um símbolo pra todas nós, que espelhávamos nela e na sua juventude os nossos sonhos.

Furacão interior – a infância na vida adulta – parte 2

Escrever sobre as implicações da infância na nossa vida adulta é muito pano pra manga, escrevi o suficiente pra três posts aí eu enxuguei bastante, ficaram dois, pra não ser cansativo. O primeiro publiquei ontem, hoje é continuidade.

É óbvio que sempre que eu escrevo estou falando sobre a minha vida, sobre as minhas incursões, minhas reflexões, eu não sei o quanto da minha perspectiva é válido para vocês, portanto façam suas reflexões, e me deem o devido desconto.

Seguidamente eu volto ao meu passado, e percorro todas as mudanças de trajetória da minha vida, os caminhos percorridos na infância em Pelotas até os dias atuais em Brasília.

Percebo que muitas das minhas reações frente a vida, com outras pessoas ou episódios, tem muito a ver com as mesmas de criança, são reflexos. Meus colegas de escola me consideravam muito séria, brava, hoje vejo que era apenas uma defesa.

Eu realmente era introspectiva, mas tinha meus motivos…

Tenho viajado pelos meus momentos críticos de vida, na infância, a perda do meu pai, depois a epilepsia. Sempre considerei meus percalços um obstáculo a superar para me fortalecer. Isso produziu uma pessoa sensível ao mesmo tempo uma fortaleza frente a vida. Parece um contrassenso, mas foi uma união perfeita, para o meu ser e para a minha sobrevivência.

À minha criança soube lutar da sua maneira, para me fazer chegar até aqui de forma completa. Não critique a sua criança interior, reflita e corrija o que for necessário na sua vida adulta.

Temos que  aprender a conviver com nossos turbilhões e buscar a força, que muitas vezes nos falta, nas meninas e meninos que fomos.

Furacão interior – a infância na vida adulta

Assisti Walt nos bastidores de Mary Poppins. O filme trata sobre a dificuldade da autora do livro em vender a Walt Disney os direitos de filmagem. Ela se reporta o tempo todo a sua infância. Me fez pensar sobre a minha.

É impressionante verificar o quanto da nossa infância persiste na nossa juventude, na nossa vida adulta e até na nossa velhice. Ela surge como um furacão interior que toma conta da situação inesperadamente.

Há sempre uma criança dentro de nós que brinca com os sentimentos, que nos leva de um lado a outro, às vezes meio perdida, sem saber muito bem pra onde vai ou vai nos levar.

Quando ela vem seguimos para os lugares mais remotos de nossa consciência. Durante a vida ela nos acompanha mesmo que a gente não perceba a companhia dela.

É na infância que a nossa personalidade é formada. Quantas vezes você se pega pensando na sua infância, no seu pai, na sua mãe, os valores que eles nos passaram, quantas vezes você se reporta para essa infância?!

Eu me reporto muitas vezes, tenho certeza que a minha base foi feita lá e me faz ser quem eu sou hoje.

A sua criança é triste ou feliz? A minha tem seus momentos de tristeza, mas a irmã gêmea dela, a alegria, afugenta logo a tristeza para não contaminar o meu dia.

É importante nós preservarmos a nossa criança interior, brincar mesmo durante a vida pra não levar tudo muito a sério, a ferro e a fogo, nosso coração agradece!

Amanhã seguimos neste tema…

Eternamente Clarice

Litoral Portugal

“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita fui a criadora de minha própria vida. Foi apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. Mas quero inteira, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso.”

Clarice Lispector – Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres

Sob a luz do luar

lua_lagoa_prata

Uma das minhas lembranças mais lindas, sou fascinada pela lua, é o nascimento dela de dentro da Lagoa dos Patos. Enorme, gigante, prateando as águas com a sua luz.

Meu interior se enche de poesia, não sei explicar o que acontece, mas me percebo apaixonada por essa bola prata toda vez que a vejo no céu, e o reflexo dentro da lagoa potencializa esse sentimento. Sempre tento fotografar, mas não chega nem perto do visual.

Minhas luas mais lindas vi no Laranjal, praia de lagoa de Pelotas, assim também o nascimento e o pôr – do – sol, inexplicável a beleza da Lagoa dos Patos nessas ocasiões. Se pudesse mostrar minhas lembranças para vocês tenho certeza que concordariam.

Me digam, qual é o luar mais marcante da sua vida?!

20 anos sem Betinho

 

Betinho

© Foto de Dadá Cardoso/Ibase. O sociólogo Herbert José de Sousa, o Betinho.

 

“O que somos é um presente que a vida nos dá. O que nós seremos é um presente que daremos à vida.”

Herbert de Souza

 

Sinto falta da humanidade do Betinho, da grandiosidade desse brasileiro que lutou contra a fome dos seus irmãos.

Só quando não tivermos nenhum brasileiro com fome no nosso país seremos realmente um grande Brasil.

O Brasil ficou menor com a morte dele!

Casa de alemã

Casa de alemã, é assim que uma amiga, dona de antiquário, fala da minha. Isso porque amo porcelana, como não tenho espaço, coleciono xícaras de cafezinho, lindas. Todas elas porcelana antiga, cheias de histórias, que desconheço.

Minha pequena cristaleira não sabe mais como acolher mais uma rsrsrs…

Quando criança gostava de abrir o armário da minha mãe e admirar, de longe, a louça ali guardada, muitas herança da minha avó paterna. Sim, era de muito longe, nenhuma mãozinha podia triscar por ali, então abria a porta e ficava namorando.

Dessas poucas coisas sobraram, eu mudei para Brasília, deixei o sul e tudo o mais ficou para trás. Mas as lembranças não!

Então, quando a Silvia abriu o antiquário, resolvi voltar no tempo e concretizar um sonho, decorar minha casa com louças, como minhas avós faziam.

Gente, elas são um sonho de lindas, minha paixão!

Desapegar…

xícaras

Eu perdi muitas coisas materiais no decorrer da minha vida, algumas delas muito amadas, mas com o passar dos anos descobri que guardar lembranças vale bem mais do que guardar bens materiais que você não consegue cuidar, no meu caso, em outra cidade distante.

Não estou dizendo para você sair por aí vendendo tudo o que você possui, apenas que nem sempre conseguimos zelar por nossos pertences. Estou falando para você desapegar, desprender, porque as boas recordações são dos momentos vividos, da alegria e felicidade compartilhada com outras pessoas, isso é o importante.

Muitas famílias se acabam por heranças, as vezes sem nem haver morte ainda. Acho isso muito triste, fiz uma opção de vida, prefiro as pessoas, sempre!

Nenhuma coisa, patrimônio, dinheiro, sequer se compara a um abraço de quem você ama, nada se iguala.

Então, se algum dia houver alguma dúvida, se um conflito for se instalar por bens, compare um momento de felicidade vivido com a pessoa com quem haverá a disputa. Não se ache otário se escolher a boa recordação, você só estará sendo o melhor de você mesmo.

A foto acima é das sobras de louças inglesas da minha mãe, guardei as boas lembranças dos momentos em que as usamos.

Contadora de história

De repente me vi aposentada à fórceps, saíram comigo do cargo que eu ocupava há vários anos, normal, a vida tem dessas coisas.

Estava no meio da minha viagem de férias e resolvi que não pensaria nisso até voltar. Não que se consiga fazer isso completamente, mas já ter uma aposentadoria me deu certa tranquilidade, trabalhava para complementar a minha renda.

Há algum tempo já vinha me questionando sobre o que fazer depois, quando saísse do meu emprego, já que se tratava de uma assessoria e apenas um cargo de confiança. Não gostaria de parar de trabalhar. Concomitantemente, me perguntava qual seria a minha real vocação, porque no decorrer da vida nunca me senti fixada em uma só.

Multitarefa, com várias potencialidades, queria fazer alguma coisa que tivesse significado para mim e para os outros, que não entrasse em confronto com os meus valores.

Essa foto é de uma das palestras que assisti #ElaFazHistória, do Facebook, no ano passado, buscando respostas. Agora estou fazendo alguns cursos online… Neles aparece sempre uma pergunta, o que você sempre gostou de fazer?

Num desses cursos ouvi essa expressão, contador de história, me encontrei! Lembrei que no decorrer da minha vida sempre escrevi: em criança, estorinhas, na adolescência e juventude, poesias, já madura nos meus blogs. É isso!

Ainda não sei bem como transformar isso em renda complementar, estou me planejando e estou feliz, por enquanto vou escrevendo para vocês, por aqui…

Lisboa, um amor antigo

Lisboa - ultimo dia_choro

O que dizer de um lugar que você chora ao pisar, como se estivesse voltando depois de anos de saudade?!

Foi essa a emoção que senti ao chegar em Lisboa, estava voltando para a minha terra…

Planejei essa viagem por 10 anos. Comprei um guia de turismo, ainda em papel e fui lendo, sem ter a idéia de quando iria realizar esse meu sonho. Sabia que um dia essa expectativa iria se concretizar, isso eu tinha certeza!

Fiz essa viagem com duas grandes amigas, que me ajudaram a materializar um pensamento acalentado por muitos anos.

Já fui duas vezes a Portugal, por mim iria mais e outra vez, e de novo e novamente. Sem nunca cansar do meu lugar mágico.

Te convido a concretizar os teus sonhos… Vamos juntos?!

 

 

Tragédias pessoais


Todos nós temos as nossas tragedias pessoais, algumas menores outras não. Vou falar de uma que me atingiu na casa dos cinquenta anos, me testando a capacidade de superação no limite máximo.

Tive outras em minha vida, ainda jovem, a idade me ajudou a superar a perda do meu pai, do tio Juvenal, muitíssimo querido, da minha amada avó e de uma filha, ainda na gravidez, já adiantada, várias outras perdas, no decorrer da vida.

Mas aos cinquenta anos tudo parece ser mais lento, até a superação…

Em abril de 2015, a minha irmã de coração, amiga de uma vida, desapareceu, em Pelotas, cidade em que nasci e vivi por mais de trinta anos. Entrou em casa pela última vez na noite do dia 9. Cláudia Pinho Hartleben nunca mais seria vista!

Ainda lembro, com tristeza, do telefonema do meu filho me avisando, na madrugada do dia 11!  Sim, até a tarde do dia 10 poucos suspeitavam que ela estava desaparecida. Colegas da Universidade acharam estranho o não comparecimento dela a uma reunião, nunca faltou a um compromisso profissional, então começou a procura.

Sem saber o que fazer de longe, dediquei o meu primeiro blog para ela, hoje se chama: Para Cláudia – UMA MEMÓRIA ETERNA!

Boa parte dos meus cabelos ficou branca, um desaparecimento não é superável, nunca acaba. Apenas passei por ele e venci a depressão que começou a se instalar escrevendo sobre a Cláudia e para ela.

Ficou uma eterna saudade…