Cama, mesa e banho

img_3619

bordados de família – minhas relíquias

Eu sempre escolho comprar produtos de qualidade, claro que temos de pagar mais por eles, em compensação a durabilidade é muito boa e o tanto que usamos paga vários de qualidade inferior.

Não costumo seguir moda, nem sempre gosto das coisas que estão na moda, faço isso tanto em roupa pessoal, como para casa, nas estampa de toalha de banho, lençóis, procuro coisas mais neutras, aquilo que realmente me agrade, mas com uma qualidade muito boa.

Ahhh, o conforto para mim também é fundamental, por isso a escolha por qualidade, as minhas escolhas pessoais são lençóis 100% algodão, de preferência acima de 200 fios, os meus tem anos e anos de uso, eu invisto muito pouco em roupa de cama e banho, por ano. Detesto dormir numa cama cheia de bolinha, arranhando a pele, é frescura, eu sei, mas eu gosto de dormir numa cama bem macia, bem confortável.

Por ter escolhido coisas muito boas elas duram muito, então não sai tão caro, o custo beneficio é muito bom!

Uso a mesma fórmula com as toalhas de banho, porque me secar numa toalha áspera se posso me secar numa toalha felpuda macia que vai me secar com muita suavidade?! Uma delícia de carinho que me faço.

Assim vejo a vida, a gente já passou tanta coisa lá fora, o mundo já é duro o suficiente, então, pelo menos dentro de casa, que ela seja macia, suave, gostosa e que nos trate com carinho, essa minha é a minha opção.

Escolho produtos bons que me satisfaçam, dizem que isso é uma mania de taurina, não sei se ligo muito pra essas coisas de signo, mas deve ser, porque conforto é bom e eu gosto muito!

Família

Tem dias que fico pensando sobre o que escrever. Falta inspiração, não surge nada, aí com as minhas leituras uma coisa apareceu, conflito em família.

Gente, família é uma coisa muito boa, mas também uma coisa muito complicada.

Não estou falando dos filhos diretos. Eu tive muita sorte com os meus, são ótimos, estou falando do entorno, tios, tias, primos, primas, aí começa a complicar. Quanto maior, pior fica, fofoca, disputa, brigas. Onde vai parar todo o amor dedicado quando fazemos a criação de nossos filhos, quando brincávamos com nossos primos?!

Se tiver dinheiro no meio então complica mais ainda. Vejo muitas histórias de famílias que são desfeitas por dinheiro, coisa pouca as vezes, mas mesmo assim acontece.

Aí me pergunto qual é a solução?! Porque em criança é tão bom brincar com os primos, com as primas, sair de férias com a família. O que acontece depois quando a gente cresce?! Será que é isso que nos resta?! Cresceu o conflito aparece?!

As vezes me pergunto se com os meus netos e os filhos deles será também assim, se haverá discórdia no futuro. Isso me entristece…

Eu fujo de conflito, detesto, até perco dinheiro pra não entrar em conflito, se é isso que me resta é isso que será. Quero mesmo é paz no meu coração e para a minha cabeça.

É o que eu desejo para vocês, paz!

Suco de laranja

Eu chegava correndo da escola e ía para cozinha espremer as laranjas. A tarde era praticamente só o que ele conseguia engolir.

A doença já tinha tomado o corpo e ele teria pouco tempo de vida, eu não sabia. Eu não tinha a noção que era tão grave, mas fazer o suco me fazia bem.

Hoje me faz bem pensar naqueles dias e saber que pude contribuir com alguns momentos de bem estar dele.

Entregava o suco ele bebia e nós ficamos ali um do lado do outro curtindo aqueles momentos, para mim bastava ficar do lado do meu pai.

Por algum tempo depois da morte dele, quando via o carro estacionado na frente de casa, eu ainda saia correndo para espremer as laranjas, até que caiu a ficha, ele não estava mais conosco.

Meu pai sempre me proporcionou momentos muito especiais. Como ele sabia da doença dele, aos 10 anos dançou a primeira valsa comigo. Me levou de barco no meio da Lagoa para ver o nascer do sol e também me levou para ver a lua nascendo. Momentos muito marcantes, que me acompanharam pela minha vida.

Ele faleceu um mês antes do meu aniversário de 11 anos.

O texto de hoje foi triste, porque foi feito com saudades. Saudades de um tempo bom, pouco tempo, mas tenho lembranças incríveis do tempo que eu passei com meu pai.

Recordações de muito amor que ele me deu.

Parabéns pai❣️

Bem estar – A comida que conforta

canja

Eu tenho várias comidas para diferentes momentos! Lembro de ter lido um livro,  Não é Sopa, da Nina Horta, que me marcou profundamente, mesmo sendo sobre comida, tinha receitas, mas não era o objetivo principal.

A Nina reuniu uma série de crônicas sobre comidas,  numa delas falava sobre comidas que confortam. Comida de feira, que ela traduz como perversa, a indiana, a austríaca, que me identifiquei por ser muito parecida com a da minha avó. A de funerais, um dos capítulos mais instigantes. Outro é sobre comida para apaixonados. Vale a pena ler…

Eu guardei com muito carinho esse sobre a comida que nos dá um bem estar danado.  Meu marido me faz uma canja deliciosa quando não me sinto bem ou adoeço, é a da foto acima, quem não se sentiria melhor com um prato feito com tanto carinho?!

Quando estou com frio vou para cozinha e faço um mingau, coisa de criança mesmo. Quem não lembra das comidas de família?! São as que mais nos tocam. A Rita Lobo fará a próxima temporada de seu programa sobre comidas de família, começou com gemada!

Me conta aí, qual é a comida que te conforta?!