Realidade virtual

Escrevi há um ano, o texto se mantém atual na análise das redes sociais…

pós 50

Li uma reportagem super interessante sobre Jaron Lanier, escritor e filósofo,  considerado um visionário da realidade virtual, ainda nos anos 1980.

Embora seja um dos caras do Vale do Silício, criticou o Facebook e o Google e diz evitar as redes sociais como evita as drogas e essa é a parte mais importante das suas próprias palavras.

Acha que para os adultos essas redes são importantes para restabelecer relações do passado, reconectar as pessoas, mas para os jovens, que ainda estão com as ideias em formação, julga ser prejudicial, porque formata o pensamento, direciona, não proporcionando uma avaliação crítica, limitando suas habilidades.

Além do mais as redes sociais utilizam os dados das pessoas. Reconhece na tecnologia dois lados, o da beleza e o do horror, no primeiro caso todas as possibilidades de desenvolvimento na ajuda ao homem, como o desenvolvimento da robótica na medicina, por outro lado a perda massiva…

Ver o post original 39 mais palavras

Mundo, qual mundo?!

Eu me pergunto como dentre tantos exemplos de vidas, tantas pessoas com uma alma linda e generosa, com uma inteligência fantástica, porque escolhemos a hipocrisia do discurso vazio, de pessoas mesquinhas.

Tivemos Ghandi, Mandela, Martin Luther King, Dom Elder Câmara, Chico Xavier, Paulo Freire, Zilda Arns, Einstein, dentre muitos. Temos Pepe Mujica, Malala Yousafzai, Papa Francisco, Maria da Penha, Chimamanda Ngozi Adichie, todos a sua maneira foram ou são transformadores do mundo em que vivemos, humana e positivamente.

No entanto, escolhemos seguir hipócritas, ignóbeis, com senso questionável de sociedade e humanidade.

Agentes sociais transformadores, essenciais ao mundo, são aqueles que se importam, com as crianças, com os necessitados, com as minorias, com os famintos, com os oprimidos.

As pessoas que eu citei acima trocaram parte de suas vidas para defender vidas. De alguma forma se doaram para servir a uma causa maior.

Não me venha dizer que isso é um discurso de esquerdista, isso é um discurso de humanidade, de uma cristã que acredita que o ser humano está acima do mercado, dos ganhos, do consumismo desenfreado, que escraviza o trabalho das pessoas para vender o produto e auferir lucros. Dos bancos que querem mais de 400% de lucro, em cima de uma população endividada.

Que tipo de mundo é esse estamos, na verdade, destruindo?! Quando os valores humanos ficaram abaixo do lucro que se ganha?! Quando passamos a preferir destruir a natureza, em detrimento do nosso próprio futuro?!

Eu respondo, desde sempre, desde que o ser humano obteve consciência ele tenta destruir tudo o que o lhe cerca, por egoísmo, vaidade, poder e egocentrismo. Isso explica as vozes das pessoas acima, sempre gritaram por um mundo melhor, para chamar a atenção que se pode fazer o bem.

TER sempre foi mais relevante do que SER, em nome disso se escraviza, se mata, se destrói.

E se faz isso em nome de religião, de valores morais, da ética e dos bons costumes.

Eu ainda prefiro ser uma cristã imperfeita, olhada por minha prática, do que pelas minhas palavras.

Meus heróis não se foram, porque eles habitam em mim todos os dias, em que eu penso que o mundo pode ser melhor.

25 de novembro como o Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher

wp-1472360952772

Me sinto sufocada, é isso, quando a violência me atingiu, minha amiga-irmã se foi, desapareceu,  fiquei completamente impotente, durante um ano virei um zumbi. Continuei fazendo tudo como antes, trabalhando, vivendo, mas no automático, aí resolvi fazer a única coisa que me restou, escrever sobre ela e nunca deixar que ela e a sua trajetória fossem esquecidas.

Todo mês de novembro tento lembrar a todas as pessoas que a violência contra a mulher pode bater a sua porta, sem mais nem menos.

Dia 9 de abril de 2019 fará 4 anos do desaparecimento da Cláudia Hartleben, de dentro de casa, sem nenhuma materialidade que possa levar alguma pessoa a julgamento. A polícia e a promotoria tratam o caso como assassinato, tudo ficou intacto.

A Cláudia era Médica Veterinária, Mestre em Medicina Veterinária e Doutora em Biotecnologia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Professora Adjunta do Centro de Desenvolvimento Tecnológico (CDTEC/UFPEL) onde atuava nos cursos de Graduação em Biotecnologia, Pós-Graduação em Biotecnologia/UFPel e Pós-Graduação em Parasitologia/UFPel. Liderava o grupo de pesquisa em Imunodiagnóstico, onde buscava o desenvolvimento tecnológico em geração de produtos e processos inovadores aplicados ao diagnóstico de enfermidades humanas e dos animais. Presidente da Comissão Interna de Biossegurança (UFPel) e Membro da Comissão de Ética em Experimentação Animal (UFPel). Integrante dos colegiados de curso de Graduação e Pós-Graduação em Biotecnologia. Ministrava aulas nas disciplinas de Biossegurança, Microbiologia e Imunodiagnóstico. Tinha experiência na área de Microbiologia e Imunologia Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção de Anticorpos Monoclonais e Desenvolvimento de Testes de Diagnóstico. Era reconhecida mundialmente, apresentou trabalhos na Argentina, Espanha, Alemanha.

Todo esse currículo não impediu que ela sofresse violência doméstica e, por fim, fosse vítima de desaparecimento.

Este ano foi criado o Troféu Cláudia Pinho Hartleben, durante a premiação da sétima Feira de Ciências, do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça, do IFSul, em Pelotas, uma memória eternizada,  na merecida homenagem a uma professora e pesquisadora excepcionais!

Dia 25 de novembro me divido entre a alegria do aniversário da minha neta e um dia marcado, em mim, como mais uma data sobre a Cláudia e a violência que a atingiu. A injustiça de terem ceifado a sua vida, que tanto prometia ainda, num momento de extrema felicidade dela, porque uma pessoa frustrada não conseguiu suportar a sua alegria e vitoriosa carreira.

 

 

Telemarketing – o que você deveria ter aprendido e nunca ninguém te ensinou

Galeria

Esta galeria contém 2 imagens.

Publicado originalmente em pós 50:
? Sempre levo em consideração as pessoas que me ligam do telemarketing, porque a minha nora já trabalhou nesta área, há muitos anos, mas já foi sua profissão, então tento escutar, mesmo quando não vou…

Sábado é dia de dicas – bolo cremoso de milho

Bom para o café de domingo!

pós 50

bolo de milhoBolo de milho da lata – fácil no liquidieficador

Quer coisa melhor para comer no sábado do que um bolo gostoso com café, humm, senti até o cheirinho dos dois, por isso que resolvi publicar esta receita hoje, para dar tempo de fazer e comer no domingo.

Nessa receita o copo de medida é o americano, 200 ml (o descartável comum também tem 200ml)

  • 1 lata de milho (vai tudo, inclusive a

    água)

  • 1 copo de leite (americano, 200ml)
  • 1/2 copo de óleo
  • 3 ovos
  • 1 copo e meio de fubá
  • 1 copo e meio de açúcar
  • 1 pacote de queijo ralado
  • 1 colher (sopa) de fermento químico
  • 1 forma untada
  • manteiga para untar

Coloque os ingredientes no liquidificador na ordem da receita e bata bem, depois de untar a forma despeje a massa, leve para assar em forno (pré-aquecido) em temperatura média, por cerca de 40 minutos, ou até…

Ver o post original 12 mais palavras

Elegância e/ou beleza?!

Gentileza gera gentileza ❣️

pós 50

Eu publiquei um texto, da Revista Pazes, na minha página Pós50, sobre elegância, que elegância não se veste, se tem. O que eu concordo plenamente e quis dar continuidade a este texto aqui no blogue e fui escolher uma foto sobre elegância na Internet,  nas páginas de fotos gratuitas.

O que me chamou atenção foi que todas as fotos que traduziam elegância para mim, foram feitas sobre a natureza,  eram incrivelmente elegantes, de cisnes, de borboletas,  de flores, de um pavão. A natureza por si só é de uma elegância ímpar,  mas já as fotos que os humanos produziram, muitas vezes eram bonitas, entretanto misturavam o conceito de elegância com o de beleza.

Muitas sobre o nu ou semi nu, belas, mas ao meu ver não expressavam elegância.

Lembro de uma foto de um nu de extrema elegância, da atriz Demi Moore,  grávida,  que causou muito impacto na sua época…

Ver o post original 135 mais palavras

O sapato do outro

pós 50

Caminhando em seus sapatos, essa é a exposição no museu da empatia, uma experiência única para que as pessoas se coloquem no lugar do outro.

Eu vi um programa no GNT, aliás dois programas, que falavam disso, dessa exposição. O assunto é empatia, se colocar no lugar do outro, calçar o sapato deles e sentir sua bagagem de vida.

Essa prática foi feita por um museu que pegou literalmente o sapato das pessoas e a suas respectivas histórias narradas por elas.

Foram mostradas uma história de uma mulher muçulmana, outra de um boxeador, a história de uma mulher com uma diferença na perna, dentre varias histórias bem tristes de pessoas e suas dificuldades na vida.

Você calçava o sapato e também ouvia a história daquela pessoa, várias pessoas saíram chorando depois da narrativa, porque havia todo um contexto de entrar no contexto narrado.

Provocar a empatia, você se colocar no…

Ver o post original 136 mais palavras

O Brasil que está longe de acontecer …

IO Brasil que fica cada vez mais distante…

pós 50

Pessoal não vou discutir tendência política, cada um tem a sua! Mas vou falar de caráter! E isso é apenas um desabafo meu…

Apesar de ter estudado política, esse é um assunto que atualmente não gosto de falar, porque estudar a teoria, de como tudo deveria ser, frustra, a realidade prática não se estuda. Como tratar os desvios, a corrupção e o sofrimento da população?!

Me sinto frustrada! Olho o nosso país e pela primeira vez não vejo um rumo, não consigo enxergar uma saída e tenho muita vontade de ir embora.

Às vezes penso que o melhor é nunca ter expectativas, porque aí talvez você não se frustre.

Sempre achei o nosso país rico o suficiente para dar uma vida decente a toda a sua população. Porém, eu não contava com os desvios e nem imaginava que fossem tantos e que levasse tantos recursos necessários, deixando a saúde na…

Ver o post original 332 mais palavras

Castelo de Cristal

De repente alguma coisa quebrou dentro dela, não sabia explicar, apenas não tinha mais aquela alegria de antes, ficou com medo da vida e de viver.

Estava presa no castelo de cristal, que se tornara a sua frágil mente. Dali ela observava o mundo, com receio de que o cristal se rompesse e o mundo lhe machucasse.

Os amigos estranharam o seu desaparecimento do convívio social. Cada um tinha a sua vida para cuidar, assim seguiram em frente. Por vezes alguém telefonava. Sem saber o que falar, apenas dizia que estava bem. Ela se afastava do mundo e o mundo se afastava dela.

Seus pânicos haviam tomado conta de tudo e ela não sabia como sair daquela redoma e retomar o caminho de volta à sanidade.

A vida se tornara devastadora na imensidão das dificuldades que sentia para resolver qualquer coisa, a roupa por lavar, as compras por fazer, retornar as ligações, responder os e-mails, dormir. Alternava entre insônia e só querer dormir. Dormir era bom, um momento de fuga na dor, as vezes queria adormecer até se sentir curada.

Já tinha pedido uma sonoterapia para a médica, ela respondera que os problemas ainda estariam lá quando acordasse. Tudo o que tinha que resolver estava dentro dela e não fora.

As paredes de cristal impediam que seus gritos interiores fossem ouvidos, só ela os escutava. Doíam tanto…

Tentava se socorrer em orações, as repetia o dia inteiro, para aplacar o buraco no peito que tanto doía.

Se sentia sozinha lutando contra o dragão da depressão, pensava assim, era dragada para um buraco negro, para um poço sem fim, todos os dias.

Sem alternativa e no desespero procurou a única saída saudável que via, ligou para o CVV, era sua última tentativa.

Foi abraçada por um estranho, do outro lado da linha, sem julgamentos, poderia falar sobre suas dores, sem nenhuma vergonha, a voz apenas lhe confortava.

Dentro de si sabia que teria que achar forças para procurar um tratamento, um psicólogo, um psiquiatra para medicá-la.

O Castelo iria ruir, rachar e, assim como ele, ela se faria em pedaços, iria sucumbir.

Há duas possibilidades de terminar esta história, sucumbir ou lutar, eu lutei há mais de 10 anos atrás.

O meu texto fala da fragilidade de uma pessoa deprimida. Aqui finalizo este texto, já me senti assim, é desesperador, passou, tive ajuda psicológica e médicos competentes.

A depressão é uma doença muito séria e tem que ser tratada com medicamentos, porque é uma falha química do cérebro que pode ser sanada. As pessoas podem ser curadas, se tiverem ajuda de quem as cerca.

Não ignore um pedido de ajuda, um olhar de desespero, você pode ser a única saída que essa pessoa encontrará.

Frango ao leite

Minha gente, a sopa ou creme de cebolas em saquinho é um coringa na sua cozinha, tempera carnes, faz um creme branco delicioso com leite, dá um toque especial em legumes gratinados.

São coisas que facilitam o nosso dia-à-dia. Essa receita aqui é fácil fácil. Sigam-me os bons!

Frango com creme de cebola e leite

  • 1 pacote de creme de cebola ou sopa de cebolas
  • 1 k coxas e sobrecoxas de frango (+ ou -3 coxas e 3 sobrecoxas) – se preferir peito, são 2 peitos grandes cortados em 4 pedaços
  • 1 litro de leite
  • 1 caixinha de creme de leite
  • salsa e cebolinha picadas para decorar
  • manteiga, óleo ou azeite para untar
  • uma forma ou refratário retangular

Passe as coxas e sobrecoxas no creme de cebola, coloque numa forma ou refratário previamente untado, junte o leite com o creme de leite, misture bem e despeje por cima do frango. Cubra com papel alumínio, e leve ao forno pré aquecido (180°C) por 40 minutos, ou até que o frango esteja macio.

Tire o papel alumínio e deixe dourar um pouco (7 a 10 min.).

Coloque a salsa e a cebolinha por cima. Sirva com arroz branco, batata palha e salada verde.

Depois me conta o que achou!

Aniversário

bus-1615549_1920
Na parada de ônibus, voltando para casa, ela se perguntava como seria o encontro com o marido. Ao levantar ele não lembrou do seu aniversário, no mesmo dia, indo almoçar ela lhe telefona, convidando para almoçar, ele diz que está ocupado. Mais tarde pergunta se irão comer uma pizza, ele responde, quer gastar mais do que já gasta?!

Que dia! Fora os cometários da vizinhança que ela estava mesmo levando um par de chifres, que ignorava solenemente. O que valia para ela era ter seu homem em casa, lhe amando, mas nem isso percebia mais, o carinho de antes.

A verdade é que naquela noite, mais do que nunca, ela desejava uma grande demonstração de atenção, queria se sentir viva, mulher, ansiava por carinho. Não só porque era o seu aniversario, porque sentia saudade dos dias que se sentia poderosa.

O ônibus chegou, sentada no degrau, único lugar que encontrou, começou a chorar, não conseguia segurar as lágrimas de frustração, do tanto que tinha investido naquela relação, elas escorriam a vontade, perceptível a quem participava do mesmo transcurso.

Um colega de viagem se aproximou, falou que percebeu a sua tristeza e se podia ajudar, ela mal conseguia balbuciar, disse, é meu aniversário. Ao que ele respondeu, tanta desolação, porque envelheceu um ano mais?! Ela declarou, não, não é por isso, é porque ninguém lembrou, nem meu marido.

Para surpresa dela ele gritou – gente é o aniversário da moça aqui, quero um parabéns cantado bem alto. No inicio levou um susto com o povo todo cantando, aos poucos as lágrimas sumiam e davam lugar a um sorriso envergonhado. Que coisa louca essa vida, a empatia vinha de um desconhecido, que ao final lhe tascou um beijo inesperado, dizendo, você é uma mulher linda, não merece lágrimas. Fica bem!

Desceu do ônibus sem sequer saber quem era o rapaz ou seu nome. Seu dia era outro, melhor, sua noite, afinal era uma mulher bonita, para quem um ônibus inteiro cantou parabéns.

O marido, isso era outra história, com o tempo ela veria o que fazer…

Finados

Para Cláudia

20170312_000355

Muitas pessoas já me disseram que o que eu estou fazendo é inócuo, não tem resultado, que não pode ajudar a Cláudia, que nem a trará de volta, que só me exponho, que eu deveria parar,  enfim foram muitos os comentários e as palavras de todos os lados. Realmente, não posso trazer a Cláudia de volta e como sofro e choro por isso… Quando a conheci ela tinha 17 anos e eu 21, isso é uma vida de amizade e cumplicidade, se eu não fizer nada me sinto traindo tudo o que vivemos e partilhamos juntas, posso ao menos falar sobre ela, para ela e para quem me lê. Sou direta nas minhas palavras, não sei ser diferente,  porque tento  pautar a minha vida com correção, não sou perfeita, mas tento ser verdadeira comigo mesma, com os meus sentimentos, então, não estou aqui tentando convencer ninguém, simplesmente escrevo. Eu tenho…

Ver o post original 190 mais palavras

Albert Einstein para vocês!

pós 50

Pode ser que um dia deixemos de nos falar…
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe…
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos…
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos…
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe…
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.
Albert Einstein

Ver o post original