Querido diário – Pepe Mujica e a justiça social

A última vez que eu estive no Uruguai, querido diário, Pepe Mujica ainda era o presidente, hoje senador.

Conversando com um dos seus eleitores, me repassou o seguinte pensamento do presidente, em toda a sociedade existem pessoas que jamais terão condições de trabalhar, seja por deficiência mental, desajuste social, ou qualquer outro problema, então, o estado tem que se precaver, formular políticas públicas para atendimento a essa população.

Confesso que, meu diário, inclusive, abriu uma nova perspectiva de mundo para mim, ampliei meus horizontes sobre políticas compensatórias, quando conheci os valores de Pepe.

Uma das minhas críticas ao estado liberal é não entender isso, as pessoas que pregam o liberalismo econômico pensam em capital, desestatização, progressão por mérito.

Quem defende o estado mínimo jamais teria uma percepção humanista do outro, da justiça social, muito menos desse outro tão carente e deficiente, que exige um olhar de extrema acuidade.

Fiquei encantada com seu olhar humano, correto e tão assertivo nas políticas públicas, implementadas no Uruguai.

Tanta generosidade, advinda de tempos extremos e de sofrimento pessoal, transformaram esse homem num dirigente único, sábio, coerente. Para mim um símbolo e uma pessoa no ápice da suas virtudes e coerência de vida.

O Uruguai sempre me foi uma referência, desde a infância, por ter nascido muito próximo àquela região.

Hoje, mais do que nunca, me aquece o coração pensar nesse país, suas políticas, sua vanguarda, sempre penso em voltar por lá.

Querido diário vivo hoje no Brasil, pensando no Uruguai.

Querido diário – reflexões de vida e a beleza que mata

Hoje, às 6h da manhã, eu bati uma foto da minha janela, de um sol vermelho, lindo, pensei, querido diário, essa beleza mata.

Mata porque as cores vem das queimadas.

Pouco depois, ainda sob o impacto daquele instantâneo, eu abri uma reportagem, que falava de uma queimada em Rondônia, onde um casal, que não conseguiu fugir do fogo, morreu abraçado.

Há dias que venho refletindo, querido diário, sobre o dinheiro, o capital, a bolsa de valores. Por que, por mais que eu pense, eu não consigo entender essa filosofia do ganhar pelo ganhar, do ter pelo ter, de cada dia apostar em ter mais.

Quando foco é apenas o dinheiro, no ganhar, há imensas perdas pelo caminho.

Para isso pessoas são sacrificadas, no excesso de trabalho, na escravidão e mortes injustificadas. Mesmo que para isso se mate populações de fome e se alimente os porcos e o gado. Mesmo que para isso se fabrique cada vez mais armas, para se vender mais armas, para se fomentar a violência e as guerras.

Uma floresta inteira está sendo destruída, povos indígenas dizimados, biodiversidade arrasada e as nascentes d’água, que garantem o futuro, poluídas, obstruídas, desviadas.

No ganho rápido, que queime tudo, que haja ouro, exploração, minério, que se enriqueça.

Que os mercados se valorizem, que o dólar suba, que as bolsas apostem no caos, que os investidores migrem de país para país, saqueando suas reservas, empobrecendo suas populações.

Enriquecer é o objetivo, sem, no entanto, se conseguir levar um tostão sequer ao túmulo.

Querido diário eu não entendo o mundo, eu não entendo a desumanidade, eu não entendo o Brasil, em que vivo atualmente, eu não entendo os empresários sem consciência, eu não entendo, simplesmente, eu não entendo.

Se prefere destruir a edificar, matar a viver em humanidade. Estamos nos condenando e as gerações futuras, pelo ganho momentâneo, pelo consumo desenfreado e desnecessário.

Querido diário viver é caro, custa vidas!

Querido diário – o mito, a demência e as trevas

Eu tenho uma página no Facebook, onde eu não coloco absolutamente nada de política, porque eu ainda respeito as pessoas que votaram nessa criatura, que temos com o presidente, porque eu sempre respeitei a democracia.

Também porque acho que, momentos de otimismo e de alívio mental, são benéficos, bem-vindos é necessários, na atual conjuntura.

Vez ou outra algum leitor percebe que sou de esquerda e vem criticar a minha posição, apesar do meu respeito aos meus curtidores sobre política. Deixo passar.

A minha opção política é inclusiva. Não consigo viver sem olhar para os lados. O meu projeto de vida sempre foi para mim e para os outros, não entendo o dinheiro pelo dinheiro.

Mas quando se vê a democracia ser atacada, por um demente, que foi colocado como uma criatura útil, para que as elites do atraso, no Brasil, pudessem fazer as reformas econômica, ao seu bel prazer, desconstruindo anos de conquistas de políticas sociais, me dá um desespero.

É uma afronta ao estado democrático de direito, todos os dias.

Nunca vi tanta gente desabrigada na rua, como neste inverno. A violência expondo seus percentuais crescentes.

Está doendo viver neste Brasil desumano, hipócrita, devastador, desrespeitoso, indigno e injusto.

Querido diário não tenho e nunca tive político de estimação, mas aqueles que colocavam o dedo na nossa cara e que ainda colocam, eles tem!

Defendem um absurdo atrás de outro absurdo, que essa criatura, que se diz presidente, faz e ainda gritam, mito!

Nepotismo normal, agressão normal, falta de educação normal, demência normal, preguiça normal! Normalizaram inimagináveis atitudes, a falta de ética e a falta de humanidade.

Quero crer querido diário, que essa fase de trevas no Brasil irá passar, mas não sei e tenho medo do que irá restar.

A fotografia do quadro não está das melhores, a fiz no Museu de Arte Contemporânea – MAC, em São Paulo, porque ali enxerguei o Brasil atual, o nome: A bestialidade avança.

Querido diário – Humanas

Querido diário confesso que ando meio inquieta.

Fiz Estudos Sociais depois História, cursei, parcialmente, uma pós-graduação em Educação e Ciência Política e, por final, um mestrado em Ciência Política. Como gosto das ciências humanas! Como elas são perigosas para os ditadores!

Tive excelentes professores, já no segundo grau e olha que eu fazia um curso técnico de laboratório, porque, a principio, pensei em fazer medicina.

Esses professores me influenciaram, a ponto de resolver seguir uma carreira acadêmica. Eles instigavam o pensamento crítico, o debate, a análise. Estávamos na época da abertura política e nem tudo era permitido, mas os sonhos eram grandes.

A ditadura já tinha acabado com a filosofia, retirou das matérias curriculares e colocado em seu lugar moral e cívica e o OSPB. Os alunos, para eles, os autoritários, tinham de aprender os hinos e esquecerem de pensar, era só decorar a letra.

Mas a minha geração não queria só cantar, até queria, mas as músicas eram diferentes, Para não dizer que não falei de flores, cálice, Coração de estudante, Vai Passar, O bêbado e o equilibrista, entre tantas. Queríamos ouvir o Ivan Lins, o Chico, o Milton, a Elis Regina, o Gonzaguinha, o Geraldo Vandré, o Taiguara, queríamos a voz da resistência e da liberdade e queríamos gritar aos quatro cantos que um dia o julgo deles iria acabar!

Querido diário, tem sido difícil, tempos difíceis, angustiante assistir o desmonte do Brasil, o retrocesso, a destruição das políticas públicas, tão importantes. Eles querem nos dobrar!

Sabemos que somos #resistência, que estamos irmanados em não deixar esse governo leviano destruir o Brasil.

Nossa, querido diário como tem sido difícil, como tem doído, como, as vezes, querendo manter a cabeça erguida, nos vergam, aí choro, existe uma corda que aperta nosso pescoço, nos joga ao chão, mas sabemos que precisamos lutar.

Diário, meu querido diário, mesmo assim não quero esquecer nenhum dia desses, por vezes, em desespero, porque ainda sou historiadora. Mesmo assim pretendo levantar a minha voz, em todos esses dias.

A humanidade das ciências humanas me ensinou que eu posso e devo lutar, por aqueles que não tem voz!

Eu, meu amigo do peito, meu irmão camarada, será?!

dinner-2330482_1920 (1)

Vamos tentar ser nossos bons amigo?! Sim, gentis conosco mesmo?!

Eu já fiz um texto sobre auto sabotagem e autoestima, vou bater muito nessa tecla, porque acho que não existe quem faça críticas piores a nós mesmos do que o nosso ser. Isso é muito ruim, nós devíamos aprender a nos tratar com carinho, porque o mundo é muito duro. Lá fora o mundo vai nos bater e nos bater como se nós estivéssemos em um ringue de box.

Nós temos que aprender a nos amar, porque quando o mundo nos bater, nós temos que ser a nossa salvaguarda e não nos deixar abalar mais do aquilo deveria abalar, não aumentar este sentimento mais do que ele realmente significou.

Temos que tomar cuidado com as nossas reações internas, aquilo que nós mesmos nos causamos e com aquilo que os outros nos transmitem de crítica.

E aqui vai um recado específico para os homens! Homens não cobrem de suas mulheres aquilo que vocês não tem mais para dar. Se você quer o corpo da sua mulher idêntico aquele corpo que você conheceu antes de se casar, antes dela ter filhos, dela amamentar, por favor se olhe no espelho e me diga com sinceridade, o seu corpo ainda é o mesmo mesmo?! Sem você ter parido, sem você ter amamentado, o seu corpo é o mesmo da época do namoro?!

Se a resposta é sim, ou se estiver melhor, parabéns! Mas se a resposta é não, porque você está barrigudo, careca, ou qualquer outra mudança, o meu conselho para você é: por favor antes de cobrar a sua mulher se olhe no espelho, se você continuar cobrando, vá se catar

Mulheres não se cobrem e não se deixem ser cobradas!

O mundo já nos cobra uma cintura fina, uma pele impecável, nenhuma ruga, nenhuma celulite, nem gordurinhas.

Tem gente morrendo em cirurgia plástica, mesmo tendo um corpo perfeito, para atender padrões de beleza inalcançáveis. Morrendo porque tem problemas com anestesia, porque tiveram pseudo-cirurgião, por fatalidades da vida.

Então preste atenção, o mais bonito de você é o seu sorriso de felicidade, que você consegue dar por ser e estar bem consigo mesma. Uma pessoa feliz, esta é a parte mais bonita que o mundo sempre poderá olhar.

Para que eu tenha um corpo saudável preciso ficar bem, e não quero ser padrão de beleza para ninguém, nem para essa sociedade hipócrita que nos cobra o que não nos dá, ou por acaso é fácil o seu acesso à médico e nutricionistas?!

A questão aqui é você é saudável?! Come se nutrindo adequadamente para o bem do seu corpo?! Eu eu não estou falando de estética e sim de saúde e educação alimentar! Estou dizendo que o que importa é colesterol, taxa de glicemia e as demais boas.

Gente, ninguém tem que passar fome! Não é viver em eterno regime, comer e depois querer vomitar tudo pra fora, pra não engordar ou tomar laxante, ou qualquer coisa do tipo.

Quem não gosta de se sentir bonito?! Todo mundo gosta, mas não podemos nos tornar escravos da beleza!

Eu mesma não estou numa época que eu goste do que eu estou vendo no espelho, porém eu entendo que este é o meu momento de vida. Eu passo por vários problemas de saúde, estou me cuidando para ficar bem, depois eu vou cuidar da minha questão de corpo saudável e não sarado.

Gostei do pilates, que não estou fazendo, mas pretendo voltar, me fez um bem danado.

Sinceramente, o mundo precisa de mais humanidade e menos futilidade!

 

20 anos sem Betinho

 

Betinho

© Foto de Dadá Cardoso/Ibase. O sociólogo Herbert José de Sousa, o Betinho.

 

“O que somos é um presente que a vida nos dá. O que nós seremos é um presente que daremos à vida.”

Herbert de Souza

 

Sinto falta da humanidade do Betinho, da grandiosidade desse brasileiro que lutou contra a fome dos seus irmãos.

Só quando não tivermos nenhum brasileiro com fome no nosso país seremos realmente um grande Brasil.

O Brasil ficou menor com a morte dele!