Princesa Diana

pós 50

Ainda lembro nitidamente a madrugada em que ela se casou. Eu fique acordada só pra assistir o casamento na Inglaterra. A transmissão foi de madrugada, eu vi numa televisão preta e branca, estava na praia, não lembro porque estava lá, no laranjal, e o casamento foi lindo.

O vestido dela acabou ditando moda, todas as noivas daquela década praticamente se casaram com mangas bufantes.

Sempre fui uma fã da pessoa, da postura, mas ela tinha um olhar muito triste. Mesmo no casamento eu achei que olhar dela estava triste, anos depois eu soube que ela tinha visto dentro da igreja a amante do marido.

Não deve ter sido nada fácil ser da realeza, ter tantos compromissos, ter todas aquelas regras a serem seguidas, viver dentro de Palácio cheio de etiqueta e ser perseguida por paparazzi a vida inteira.

Acho que ela foi muito mais feliz depois que se separou e nobremente…

Ver o post original 117 mais palavras

Comida marcante

pós 50

comida brasileira

Há alguns anos eu fiz um curso de gastronomia, quando aprendi que temos três gastronomias mais diferenciadas e significativas no Brasil.

Temos três comidas que são as mais marcantes, a de Minas Gerais, a da Bahia, e a do Pará. Essas três gastronomias no Brasil marcam incrivelmente a história da comida do nosso país.

Eu particularmente gosto das três, como mais a mineira pela proximidade, mas as duas que realmente me encantam é a baiana e a paraense. São inigualáveis por sua origem.

Minas tem a sua base na carne de porco, a Bahia usa o dendê, e a culinária do Pará, que é indígena, tem a mandioca com base.

No Para o uso da mandioca é pleno, inclusive o da folha que vira tucupi, fervendo a mandioca brava por 7 dias, é o suporte para quase toda culinária paraense.

A da Bahia o fundo culinário vem da África do…

Ver o post original 102 mais palavras

Flores frescas

pós 50

camelia

Ahhh, a diferença entre o querer e o poder…

Eu queria ter vasos de flores pela minha casa, toda a semana abastecido, com flores frescas, amo flores.

É um desejo tolo, talvez, inacessível pelo preço das flores nas floriculturas, já que moro em apartamento e não posso colher no jardim. Querer nem sempre é poder, não é mesmo.

Eu te faço uma pergunta, mesmo que você pudesse ter o que quer, isso é realmente importante para a sua vida? Vai fazer diferença pra você ter essa coisa?

Eu fiz uma opção de vida, dei preferência a ser do que a ter. É óbvio que nós gostamos de ter sempre mais,  mas ter o suficiente compensa, ser é muito importante.

Usei o exemplo das flores frescas porque se eu pudesse as terias, é uma representatividade, mas não vai fazer diferença efetiva na minha existência.

Ser vai,  é minha essência, é o que…

Ver o post original 49 mais palavras

Furacão interior – a infância na vida adulta – parte 2

pós 50

Escrever sobre as implicações da infância na nossa vida adulta é muito pano pra manga, escrevi o suficiente pra três posts aí eu enxuguei bastante, ficaram dois, pra não ser cansativo. O primeiro publiquei ontem, hoje é continuidade.

É óbvio que sempre que eu escrevo estou falando sobre a minha vida, sobre as minhas incursões, minhas reflexões, eu não sei o quanto da minha perspectiva é válido para vocês, portanto façam suas reflexões, e me deem o devido desconto.

Seguidamente eu volto ao meu passado, e percorro todas as mudanças de trajetória da minha vida, os caminhos percorridos na infância em Pelotas até os dias atuais em Brasília.

Percebo que muitas das minhas reações frente a vida, com outras pessoas ou episódios, tem muito a ver com as mesmas de criança, são reflexos. Meus colegas de escola me consideravam muito séria, brava, hoje vejo que era apenas uma defesa.

Eu…

Ver o post original 123 mais palavras

Furacão interior – a infância na vida adulta

pós 50

Assisti Walt nos bastidores de Mary Poppins. O filme trata sobre a dificuldade da autora do livro em vender a Walt Disney os direitos de filmagem. Ela se reporta o tempo todo a sua infância. Me fez pensar sobre a minha.

É impressionante verificar o quanto da nossa infância persiste na nossa juventude, na nossa vida adulta e até na nossa velhice. Ela surge como um furacão interior que toma conta da situação inesperadamente.

Há sempre uma criança dentro de nós que brinca com os sentimentos, que nos leva de um lado a outro, às vezes meio perdida, sem saber muito bem pra onde vai ou vai nos levar.

Quando ela vem seguimos para os lugares mais remotos de nossa consciência. Durante a vida ela nos acompanha mesmo que a gente não perceba a companhia dela.

É na infância que a nossa personalidade é formada. Quantas vezes você se pega…

Ver o post original 105 mais palavras

Hoje dedico Martha Medeiros para vocês!

pós 50

IMG_0794 A Morte Devagar

Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias Morre lentamente quem não troca de idéias, não troca de discurso, evita as próprias contradições. Morre lentamente quem vira escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no supermercado. Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma cor nova, não dá papo para quem não conhece. Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru e seu parceiro diário. Muitos não podem comprar um livro ou uma entrada de cinema, mas muitos podem, e ainda assim alienam-se diante de um tubo de imagens que traz informação e entretenimento, mas que não deveria, mesmo com apenas 14 polegadas, ocupar tanto espaço em uma vida. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos nos is a um turbilhão de emoções indomáveis…

Ver o post original 239 mais palavras

Casa de alemã

pós 50

Casa de alemã, é assim que uma amiga, dona de antiquário, fala da minha. Isso porque amo porcelana, como não tenho espaço, coleciono xícaras de cafezinho, lindas. Todas elas porcelana antiga, cheias de histórias, que desconheço.

Minha pequena cristaleira não sabe mais como acolher mais uma rsrsrs…

Quando criança gostava de abrir o armário da minha mãe e admirar, de longe, a louça ali guardada, muitas herança da minha avó paterna. Sim, era de muito longe, nenhuma mãozinha podia triscar por ali, então abria a porta e ficava namorando.

Dessas poucas coisas sobraram, eu mudei para Brasília, deixei o sul e tudo o mais ficou para trás. Mas as lembranças não!

Então, quando a Silvia abriu o antiquário, resolvi voltar no tempo e concretizar um sonho, decorar minha casa com louças, como minhas avós faziam.

Gente, elas são um sonho de lindas, minha paixão!

Ver o post original

Sábado é dia de dicas – Tempero caseiro básico

Tempero caseiro – tudo de bom!

pós 50

temperos

Bem se você é como eu gosta de cozinhar, mas não gosta de toda hora ter que descascar e picar alho e cebola, vamos para uma solução prática e barata, de durabilidade incrível e de muita versatilidade, a d o r o !

Porque chamei o tempero de básico? Porque ele é a base para você enlouquecer e fazer no mínimo 3 outros…

Inventar na cozinha, acho incrível essa capacidade. Então é o seguinte, pegue essa receita e coloque mais salsa e cebolinha, parabéns, fizemos um tempero verde.

Aí deu a louca, e coloca pimenta dedo de moça ou calabresa (umas duas ou três, caso você não seja baiano, senão você abrirá as portas do inferno), terá o apimentado.

Quer um mais sofisticado?! Coloca tomilho, sálvia e louro, ervas de provence, ui, você tá metido, francês puro, minha combinação predileta para carnes, (não coloco alecrim para bater, fica amargo).

Orégano…

Ver o post original 173 mais palavras

Quem não se comunica se trumbica…

Já dizia o Chacrinha…

pós 50

Geralmente tenho muita dificuldade para dormir, sou super alérgica, é só começar a dormir que vem uma tosse chata, que porre!

Ainda não enlouqueci, sim estou falando em se comunicar, é que nessas horas deitada, em que não consigo dormir, bate mil idéias sobre escrever, geralmente levanto e anoto. Foi como tudo começou…

Tenho recebido de leitores muitas mensagens sobre relacionamentos, sobre questões interiores. Gente não tenho fórmula mágica, mas aprendi com a vida a ser o mais honesta possível, inclusive comigo mesma! Não se foge de problemas, no máximo se adia… Então me comunico!

Quando as pessoas perderam a capacidade de se comunicar?!  Essa é a grande questão.

A comunicação é básica em qualquer relacionamento, se ela não existir haverá problema.

Não adianta fingir ser uma coisa no início da relação e depois na continuidade dela querer um resultado diferente do que se plantou. A semente era de tomate…

Ver o post original 150 mais palavras

Querido diário – Pepe Mujica e a justiça social

A última vez que eu estive no Uruguai, querido diário, Pepe Mujica ainda era o presidente, hoje senador.

Conversando com um dos seus eleitores, me repassou o seguinte pensamento do presidente, em toda a sociedade existem pessoas que jamais terão condições de trabalhar, seja por deficiência mental, desajuste social, ou qualquer outro problema, então, o estado tem que se precaver, formular políticas públicas para atendimento a essa população.

Confesso que, meu diário, inclusive, abriu uma nova perspectiva de mundo para mim, ampliei meus horizontes sobre políticas compensatórias, quando conheci os valores de Pepe.

Uma das minhas críticas ao estado liberal é não entender isso, as pessoas que pregam o liberalismo econômico pensam em capital, desestatização, progressão por mérito.

Quem defende o estado mínimo jamais teria uma percepção humanista do outro, da justiça social, muito menos desse outro tão carente e deficiente, que exige um olhar de extrema acuidade.

Fiquei encantada com seu olhar humano, correto e tão assertivo nas políticas públicas, implementadas no Uruguai.

Tanta generosidade, advinda de tempos extremos e de sofrimento pessoal, transformaram esse homem num dirigente único, sábio, coerente. Para mim um símbolo e uma pessoa no ápice da suas virtudes e coerência de vida.

O Uruguai sempre me foi uma referência, desde a infância, por ter nascido muito próximo àquela região.

Hoje, mais do que nunca, me aquece o coração pensar nesse país, suas políticas, sua vanguarda, sempre penso em voltar por lá.

Querido diário vivo hoje no Brasil, pensando no Uruguai.

Querido diário – reflexões de vida e a beleza que mata

Hoje, às 6h da manhã, eu bati uma foto da minha janela, de um sol vermelho, lindo, pensei, querido diário, essa beleza mata.

Mata porque as cores vem das queimadas.

Pouco depois, ainda sob o impacto daquele instantâneo, eu abri uma reportagem, que falava de uma queimada em Rondônia, onde um casal, que não conseguiu fugir do fogo, morreu abraçado.

Há dias que venho refletindo, querido diário, sobre o dinheiro, o capital, a bolsa de valores. Por que, por mais que eu pense, eu não consigo entender essa filosofia do ganhar pelo ganhar, do ter pelo ter, de cada dia apostar em ter mais.

Quando foco é apenas o dinheiro, no ganhar, há imensas perdas pelo caminho.

Para isso pessoas são sacrificadas, no excesso de trabalho, na escravidão e mortes injustificadas. Mesmo que para isso se mate populações de fome e se alimente os porcos e o gado. Mesmo que para isso se fabrique cada vez mais armas, para se vender mais armas, para se fomentar a violência e as guerras.

Uma floresta inteira está sendo destruída, povos indígenas dizimados, biodiversidade arrasada e as nascentes d’água, que garantem o futuro, poluídas, obstruídas, desviadas.

No ganho rápido, que queime tudo, que haja ouro, exploração, minério, que se enriqueça.

Que os mercados se valorizem, que o dólar suba, que as bolsas apostem no caos, que os investidores migrem de país para país, saqueando suas reservas, empobrecendo suas populações.

Enriquecer é o objetivo, sem, no entanto, se conseguir levar um tostão sequer ao túmulo.

Querido diário eu não entendo o mundo, eu não entendo a desumanidade, eu não entendo o Brasil, em que vivo atualmente, eu não entendo os empresários sem consciência, eu não entendo, simplesmente, eu não entendo.

Se prefere destruir a edificar, matar a viver em humanidade. Estamos nos condenando e as gerações futuras, pelo ganho momentâneo, pelo consumo desenfreado e desnecessário.

Querido diário viver é caro, custa vidas!

A transformação do mundo em que vivemos

pós 50

ROBO

É impressionante todas as mudanças que assisti nesses 50 anos. Quando eu nasci apenas famílias mais abastadas tinham telefone em casa, a televisão era assistida pela janela do vizinho melhor de vida, em preto-e-branco. Energia elétrica só na cidade. No campo, na praia era gerador.

A terceira revolução industrial, a da tecnologia da informação, mudou completamente o mundo que conhecíamos. O wi fi foi a revolução dentro da revolução.
As comunicações deixaram de ser um privilégio apenas de quem tinha dinheiro, hoje todo mundo tem um celular. O acesso à informação é universal.

Porém temos o outro lado da moeda, se as máquinas já substituíam os homens, a sociedade informatizada faz os menos preparados perderem os seus empregos vertiginosamente, o mundo que conhecemos ontem não existe mais.

Estamos na revolução do intangível, a era do conceito, da criatividade, não precisamos mais de coisas físicas, como a terra, a máquina para…

Ver o post original 93 mais palavras

Sou perfeita, Socorro!

Qualidade de vida, mais do que necessário!

pós 50

img_2914-1

Tem que arrumar a cama, fazer o café, lavar a louça, tomar banho, limpar a casa, deixar cheirosa, o banheiro limpo, lavar a roupa, arrumar a cozinha, branquear o pano de prato, panela areada, falar educadamente, ser servidora eficiente, educar os filhos, fazer a merenda, tirar o pó, aspirar o tapete, varrer a casa, responder o e-mail, retornar para a amiga, ser boa filha, limpar os vidros, fazer a lista de compras, colocar o feijão de molho, tirar o lixo, limpar a geladeira, coar o café, providenciar o lanche, ser simpática, comprar pão e leite, passar a roupa, guardar a roupa, arrumar o armário, passar o pano na casa, fazer a lição com os filhos… E a faxina?!

Ainda ficar bonita , cabelo e unha sempre arrumados e rosto sempre maquiado, manter o regime equilibrado, com 5 cores no prato, ser boa de cama, estar sempre cheirosa e ótima ouvinte…

Ver o post original 14 mais palavras

Mochila nas costas

Viajar, sempre, independente da forma.

pós 50

estrada_mochilaVamos fugir, baby, para outro lugar… Esse sentimento já te invadiu em algum momento?! A mim já inúmeras vezes na vida, era um sentimento de deixar tudo pra lá, pegar uma estrada e sair sem rumo, respirar com liberdade, só o vento como companhia .

Era um misto de inquietude, rebeldia, vontade de conhecer o mundo, independência. Eu me via numa estrada vazia, seguindo em frente, livre, leve e solta. Sempre me vi de costas… Psicólogas podem analisar…

A mochila eu tive, mas nunca peguei a estrada, literalmente falando. Viajei bastante pelo Brasil, conheci outros lugares e culturas, me preencheram tanto! A minha independência interior também me supriu e consegui encontrar sempre um meio de acalmar minha alma e seguir em frente.

Bastava achar um lugarzinho novo, ali perto de casa mesmo, quantos existem por aí, não é mesmo?!

A vontade de conhecer outros lugares, culturas, pessoas, viajar, ahhhh, essa…

Ver o post original 32 mais palavras

Minhas Dicas – truques na cozinha

pós 50

Resolvi listar algumas dicas que sempre usei na cozinha para facilitar a vida, então vamos que vamos porque o final de semana está só começando:

  • esfregar sal nas mãos tira o cheiro de cebola e de alho, depois é só lavar com água corrente;
  • depois de usar limão lave as mãos abundantemente, o suco ácido queima a pele em contato com o sol, podendo criar bolhas (vale para laranja, caju, maracujá…);
  • para descascar alho em grande quantidade coloque as cabeças em uma panela, tampe e sacuda freneticamente por 15 segundos, as cascas soltarão facilmente;
  • esfregar nabo cru na roupa onde derramou shoyo ajuda a eliminar a mancha, é inacreditável;
  • separar facas para diferentes usos conserva o fio, por exemplo, não use a faca de carnes para cortar cebolas ou limões, o suco ácido tira a afiação;
  • não lave cogumelos, eles são como esponja, absorvem a água, dificultando o cozimento, passe…

Ver o post original 143 mais palavras

Querido diário – insanidade

Querido diário é tanta besteira que eu ouço…

O mandatário maior do Brasil fala as maiores atrocidades e seus asseclas repercutem e batem palmas, eu penso estar vivendo na Matrix.

Nepotismo é normal, tortura salvou o Brasil e torturador é herói brasileiro. Dados científicos negativos são uma balela, que não devem ser divulgados, pra não estragar o progresso brasileiro. Quando se deveria, na verdade, corrigir os erros que têm sido cometidos. Gastos com cartão de crédito corporativo da Presidência da república são sigilosos, quando deveriam ser abertos e com transparência.

Normalizaram a mediocridade, a incompetência, a falta de noção, o desmando, o autoritarismo, o descumprimento da lei, porque os fins justificam os meios e Justiça boa é aquela que aniquila com o meu inimigo.

Direitos humanos é coisa para proteger vagabundo e não conquistas históricas mundiais, advindas da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (França 1789) e da Organização das Nações Unidas (ONU) que, em 1948, criou a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Eles são todos os direitos e liberdades básicas, considerados fundamentais para dignidade humana. “São direitos humanos básicos: direito à vida, à liberdade de expressão de opinião e de religião, direito à saúde, à educação e ao trabalho.”

Então, na Matrix, querido diário, ser humano e preservar valores básicos de convivência e respeito é ser fraco, é ter bandido de estimação, apoiar corrupto, ser esquerdopata, petralha e comunista.

Se o presidente da república chama torturador de herói, deixa, isso é uma bobagem, ele é assim mesmo…

Chorem todos os que um dia foram torturados, ou que perderam seus entes queridos na tortura.

Querido diário a Matrix é a idade das trevas. Estão surdos e cegos, não mudos, mas loucos!

Cozinha sustentável

pós 50

earth-405096_1920

Dois conceitos que me atraem: cozinha e sustentável. Temos que começar a pensar num mundo viável e nada como começar com pequenas atitudes, dentro da nossa própria casa, de modo bem simples.

Cozinhar em casa com produtos naturais como alho, cebola, tomate, pimentão, salsa e cebolinha, a base do nosso refogado é extremamente saudável. Se você conseguir aliar a sua cozinha com a compra de produtos sazonais, feita com pequenos produtores locais, (que na sua maioria usam técnicas simples de plantio, sem agrotóxico) e utilizando tudo o que é possível deste produto, parabéns, você está praticando a cozinha sustentável.

Vamos ver como isso funciona?! Estamos em agosto, o que se produz em agosto? Nos legumes temos cenoura, abóbora japonesa, abobrinha, batata doce amarela, berinjela, cará, ervilha, inhame, mandioca e mandioquinha. Nas frutas: abacate, atemóia, carambola, kiwi, laranja, lima da pérsia, maçã fuji e red, mamão formosa, maracujá, mexerica, morango, sapoti…

Ver o post original 378 mais palavras

Ho’oponopono

Palavras mágicas!

pós 50

Hooponopono-1

O Ho’oponopono não é um simples repetir de sílabas, é uma técnica, criada por um psicólogo havaiano, Ihaleakala Hew Len, para tratar  presos perigosos, mentalmente doentes. É uma repetição das palavras, Sinto muito, Me perdoe, Te amo, Sou grato. Eu falo: eu sinto muito, eu te perdôo, eu te agradeço,  eu te amo, foi a forma que gravei.

Eu desconhecia até abril de 2017,  quando fui hospitalizada com uma infecção grave,  que resultou numa paralisia facial. Uma amiga me vendo nessa situação me ensinou essas palavras simples, que repetidas se transformam numa meditação e oração e te eleva o espírito, facilitando a sua cura. Nos dez dias de internação e depois de intensa fisioterapia neurológica me ajudou demais.

Foi assim que aconteceu com aqueles presos, assim aconteceu comigo.

Caso você ainda não acredite, olhe a força dessas palavras que deveríamos repetir todos os dias para as pessoas que nos cercam e…

Ver o post original 60 mais palavras

Torta versátil

Deixa a cozinha para o liquidificador e vai aproveitar o final de semana!

pós 50

oven-polenta-1429812_1920

Olá minha gente!  A receita de hoje é uma das mais executadas na minha família por parte de mãe, tem uma fã fervorosa, como ela gosta demais, acabou sendo intitulada “Torta da Tia Eny”, quem prova acaba sempre pedindo a receita.

Uma das particularidades dessa receita é, você escolhe o recheio do dia. Fácil de executar e boa de comer, quer coisa melhor?!

Pré-aqueça o forno em temperatura média.

Ingredientes:

  • 3 ovos
  • 2 xícaras de leite
  • 1 xícara de óleo
  • 12 colheres de sopa de farinha de trigo
  • meia xícara de queijo ralado
  • 1 colher de sopa de fermento químico
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 refratário grande
  • margarina ou manteiga para untar
  • queijo ralado para polvilhar

bata tudo junto no liquidificador, sempre coloque os líquidos primeiro, depois os ovos e por último os secos. Despeje a metade em um refratário untado, coloque o recheio da sua preferência, cubra com…

Ver o post original 116 mais palavras

Charme

pós 50

chame

Uma das coisas que me chama a atenção é que o comércio ainda não percebeu o potencial de quem está na meia-idade, mas não quer se vestir como velho. Eu não quero!

Assim como também não quero usar as roupas que as pessoas que fabricam números maiores, que são os que eu uso, acham que eu devo usar.

Gente a vida é um charme e eu me sinto assim, alegre, com vontade de inovar, olha só esse look aí de cima. O cara é grisalho, mas super de bem com a vida, óculos estiloso, camisa também, nada demais, apenas um azul que lhe cai muito bem.

Amo ousar nos meus óculos, tenho um rosa transparente, um preto e marfim e um azul. Se é pra usar óculos vamos inovar, expressar o que somos.

Me pergunto o porquê da ditadura de cores escuras para pessoas de meia idade, claro que um…

Ver o post original 53 mais palavras

Querido diário – eu não quero perder a esperança

O meu marido às vezes pede, que nos finais de semana, eu não acesse os canais políticos, ele sabe da minha constante preocupação, com o nosso país e o nosso povo brasileiro, muitas noites perco o sono, mas eu não consigo, está em mim acompanhar a política o tempo todo, é de família e de profissão.

Ele sabe o quanto o crescimento do feminicídio, das pessoas desamparadas, as agressões aos LGBTs, ao meio ambiente, aos mais pobres, aos indígenas, aos pequenos agricultores, a educação, a saúde, com tantas agressões a tudo e a todos, eu devo estar esquecendo alguma área aqui, me desestabilizam.

Difícil manter a esperança, querido diário, quando vejo que este desgoverno ainda tem tanto apoio, é desumano!

Ser a resistência nessas horas nefastas traz uma dupla responsabilidade, conosco e com os outros. Você sabe que não pode parar, que não pode se abater, que não pode deixar pra lá, em nenhum momento, em nenhuma hora.

O cansaço emocional chega, nos abala, nessa hora precisamos nos afastar temporariamente, para renovar as energias e voltar a defesa inquestionável dos valores humanos.

Quando vejo a declaração do Candido Bracher, presidente do banco Itaú Unibanco, confesso que perco parte da esperança no ser humano: “As reformas deixam o Brasil em uma situação tão boa como eu nunca vi em minha carreira”.

Boa para quem querido diário?! Para os quase 13 milhões de desempregados, para as pessoas que estão morrendo de frio nas ruas, para os desabrigados em número crescente, dormindo embaixo das marquises, para a fome que voltou ao Brasil, o país está bom para quem?!

Está bom para quem investe em bancos, bolsa de valores, que vivem do capital pelo capital. Esses realmente comemoram.

Ai lembro da propaganda dos Médicos sem fronteiras, que fala: “podemos ser violentos, insensíveis, cruéis, egoístas, indiferentes, mas só quem pode salvar a vida de um ser humano é outro ser humano.” Aí eu respiro fundo e penso que um de nós pode salvar o outro.

Todos os dias recomeçamos, porque somos a #resistência!