O Direito Delas

Eu publiquei este texto na véspera da posse desta pessoa SEM DECORO, que se diz presidente.
Quando abre a boca é para despejar toda a sorte de preconceito e absurdos, tendo como um de seus alvos prediletos as mulheres.
Então, primeiro de janeiro é o primeiro dia de todos os outros dias de nós MULHERES, porque todos os dias é o dia DELAS, é o nosso.

pós 50

Resolvemos instituir o dia primeiro de janeiro como o do Direito Delas – o da nossa forte união pelos nossos direitos, o das mulheres, o das nossas conquistas!

E agora, que instituímos esta data, queremos dizer que, nenhum, absolutamente nenhum, dos nossos direitos adquiridos nos serão retirados e vários serão conquistados.

Decretamos que somos mulheres poderosas e empoderadas e sabemos exatamente o que queremos e a que viemos e, portanto, não nos provoquem.

Porque agora, de mãos dadas, unidas e fortes vamos mostrar quem somos, o que temos, o que queremos e o que vamos conquistar. Não baixaremos a cabeça para qualquer autoritarismo.

Quando uma de nós na caminhada da vida tropeçar e perder o equilíbrio, nós estaremos lá, juntas, para lhe amparar, sustentar e colocar no prumo novamente.

Se chegar o vendaval seremos a rocha que mantém umas às outras. O alicerce que não se deixa abalar.

Somos mulheres…

Ver o post original 20 mais palavras

Nem sempre a verdade é a melhor resposta…

Minha mãe tem 94 anos e os momentos de lucidez são raríssimos.

Estávamos conversando outro dia e ela me perguntou, apontando para o céu, e minha mãe?

Estamos na época do pêssego em Pelotas, então, ao invés de responder, eu simplesmente comecei a falar das coisas que a vó fazia nessa época.

“Mãe lembra da vó descascando os pêssegos, para fazer a geleia, a pessegada, os pêssegos em calda?! E aquela vez que ela mandou o pêssego em calda para ser enlatado?! 12 fatias por lata, ao abrir descobriu que o responsável enlatava 10, ficando com duas fatias, de cada lata, para ele.”

Ela ria das histórias…

É uma maneira de relembrar a sua mãe, reviver os momentos felizes…

E assim vou levando, porque não quero relembrar nela poucos minutos de um profundo sentimento de angústia e perda.

Ela não precisa saber que perdeu a mãe, a irmã e o filho, são verdades dolorosas que não precisam ser ditas.

É bom fazê-la sentir uma breve felicidade, recordando daqueles que amou.

Nem sempre a verdade é a melhor resposta …