Cama, mesa e banho

img_3619

bordados de família – minhas relíquias

Eu sempre escolho comprar produtos de qualidade, claro que temos de pagar mais por eles, em compensação a durabilidade é muito boa e o tanto que usamos paga vários de qualidade inferior.

Não costumo seguir moda, nem sempre gosto das coisas que estão na moda, faço isso tanto em roupa pessoal, como para casa, nas estampa de toalha de banho, lençóis, procuro coisas mais neutras, aquilo que realmente me agrade, mas com uma qualidade muito boa.

Ahhh, o conforto para mim também é fundamental, por isso a escolha por qualidade, as minhas escolhas pessoais são lençóis 100% algodão, de preferência acima de 200 fios, os meus tem anos e anos de uso, eu invisto muito pouco em roupa de cama e banho, por ano. Detesto dormir numa cama cheia de bolinha, arranhando a pele, é frescura, eu sei, mas eu gosto de dormir numa cama bem macia, bem confortável.

Por ter escolhido coisas muito boas elas duram muito, então não sai tão caro, o custo beneficio é muito bom!

Uso a mesma fórmula com as toalhas de banho, porque me secar numa toalha áspera se posso me secar numa toalha felpuda macia que vai me secar com muita suavidade?! Uma delícia de carinho que me faço.

Assim vejo a vida, a gente já passou tanta coisa lá fora, o mundo já é duro o suficiente, então, pelo menos dentro de casa, que ela seja macia, suave, gostosa e que nos trate com carinho, essa minha é a minha opção.

Escolho produtos bons que me satisfaçam, dizem que isso é uma mania de taurina, não sei se ligo muito pra essas coisas de signo, mas deve ser, porque conforto é bom e eu gosto muito!

Cozinha sustentável

earth-405096_1920

Dois conceitos que me atraem: cozinha e sustentável. Temos que começar a pensar num mundo viável e nada como começar com pequenas atitudes, dentro da nossa própria casa, de modo bem simples.

Cozinhar em casa com produtos naturais como alho, cebola, tomate, pimentão, salsa e cebolinha, a base do nosso refogado é extremamente saudável. Se você conseguir aliar a sua cozinha com a compra de produtos sazonais, feita com pequenos produtores locais, (que na sua maioria usam técnicas simples de plantio, sem agrotóxico) e utilizando tudo o que é possível deste produto, parabéns, você está praticando a cozinha sustentável.

Vamos ver como isso funciona?! Estamos em agosto, o que se produz em agosto? Nos legumes temos cenoura, abóbora japonesa, abobrinha, batata doce amarela, berinjela, cará, ervilha, inhame, mandioca e mandioquinha. Nas frutas: abacate, atemóia, carambola, kiwi, laranja, lima da pérsia, maçã fuji e red, mamão formosa, maracujá, mexerica, morango, sapoti e  tangerina. Nas verduras: agrião, beterraba com folhas, brócolis, cenoura, coentro, couve, couve de bruxelas, couve-flor, erva-doce, espinafre, hortelã, louro, mostarda, orégano, rabanete e repolho. (fonte blog da CEAGESP)

Quando você consome um produto sazonal você ganha de duas maneiras, no bolso e na nutrição. O produto consumido na época certa de sua safra preserva todas as suas qualidades, sabor, cor, textura, a saúde agradece.

Aproveitar esse produto em sua integralidade nos remete a novas experiências, como o bolo de casca de banana, a batata rústica onde a casca é aproveitada, o omelete de talos de salsinha, riquíssimo em vitamina C. Além disso você pode cozinhar a beterraba no feijão, ele ganha em ferro e você no gás de cozimento. A batata doce tem o mesmo tempo de cozimento do arroz. Ou seja, mil possibilidades de aproveitamento do todo.

Lembra que nossas mães e avós aproveitavam tudo?! O arroz branco virava bolinho, arroz de forno. O feijão, tutu, feijão mexido, nada era jogado fora, e feijão e arroz um mexidinho, é esse o conceito.

Abra as fronteiras da experimentação, você só tem a ganhar com a cozinha sustentável, grandes Chefs perceberam isso e apostaram nesse conceito. O planeta terra agradece!

Copiei algumas idéias da fleischmann  que achei bem legais.
Confira como reaproveitar melhor os alimentos

• Folhas de cenoura, beterraba, batata-doce, nabo, couve-flor e abóbora: faça bolinhos, sopas e cremes, suflês, farofas, patês, tortas, massas e recheios para panqueca.

• Cascas de goiaba, banana, laranja, mamão, maçã, abacaxi e manga: prepare compotas, doces caramelados, doces cristalizados, sucos, bolos e geleias.

• Talos de espinafre, agrião, acelga, brócolis, beterraba e couve-flor: use no preparo de sopas, refogados, farofas, omeletes, tortas e recheios para massas em geral.

• Sobras de carne assada, carne moída, peixe e frango: dá para fazer croquetes, omeletes, tortas, recheios para panqueca, bolo salgado, escondidinhos, suflês e bolinhos.

• Sobras de arroz e feijão: faça bolinhos de arroz, tortas, arroz de forno, arroz-doce, risotos, feijão-tropeiro e virado.

• Ao usar metade do abacate, deixe a outra parte com o caroço. Isso evita que a fruta estrague rápido.

• Sobras de bolacha não devem ir para o lixo. Esmigalhe, guarde em um vidro fechado e utilize para preparar pavês e tortas.

Fonte: http://www.falecomfleischmann.com.br e http://www.dicasdecozinha.com.br

Esta consumidora de 50 anos

consumidora

Esta consumidora em especial gosta de qualidade e só gasta com aquilo que avalia muito bem.

Cheguei numa idade que não compro qualquer coisa porque é moda, nem pensar, posso até comprar um item que está bombando, mas ele tem que me agradar e muito!

Classe média, cinquentona gasta com o que lhe satifaz!

Viagens sonhadas por anos, excelentes perfumes, bons restaurantes, roupa de grife (eventualmente em liquidação). As mulheres investem em toda a linha de cremes anti idade, hidratantes e anti-rugas, filtro solar, perfume francês, bijuteria fina, sapato, bolsa. No meu caso, apenas creme hipoalergênico e filtro.

Então toda a empresa que se preze deve prestar bem atenção no seu consumidor em potencial. Ele muda e muito com a idade, os interesses não são os mesmos da juventude. Aprendemos a gastar mais com a qualidade do que com a quantidade.

Troco qualquer roupa da moda por investimento em viagens!

Foto típica de turista em shopping, que mais experimentou do que comprou…