Cabelos Grisalhos

cabelo-branco

Publiquei um post sobre auto estima numa página que eu faço parte, que trata de cabelos grisalhos. Algumas pessoas me perguntaram sobre tratamento de cabelo. Eu confesso que eu não sei muito do assunto, porque eu uso apenas shampoo para bebês. Sou alérgica, então eu escolho um shampoo neutro, uso atualmente o da granado, que é o que eu mais gosto e lavo meu cabelo todos os dias . Tenho a sorte de ter um cabelo bem legal que não precisa de muita química.

Mas o assunto despertou em mim a curiosidade de saber mais e procurar produtos para cabelos grisalhos, até porque no Pós50, na meia idade, as pessoas começam a ficar grisalhas.

Atualmente usar cabelos grisalhos também está na moda. Fui pra internet para produzir um post bem legal. Achei um monte de produtos, vários mesmos, de todos os tipos e preços também.

Um cabelo grisalho bem cuidado tem o seu charme! Esse tipo de cabelo precisa de mais hidratação, fica amarelado naturalmente e, como tem quase nada de queratina, não pega tinta facilmente.

Existem produtos para desamarelar, para tonalizar o cabelo de cinza ou violeta e muitos produtos para hidratar desde shampoo, condicionador, hidratantes, máscaras, muita coisa mesmo.

Os produtos utilizados requerem mais tempo nos cabelos, cada um deve ficar de três a cinco minutos nos antes do enxague, para uma hidratação correta.

Abaixo seguem vários produtos indicados para você curtir o seu grisalho.

Perennials

Somos nós, as mulheres de 40 a 60! Vocês sabiam disso?! Aquelas que não seguem a cartilha da meia-idade. Eu estou aprendendo e me achei nessa definição.

Comecei a ler alguns artigos sobre o tema, super interessante, porque nos define a partir de um estilo de vida, no mercado de trabalho, como consumidoras e nessa faixa etária.

Não há uma identidade com uma determinada idade, também não se esconde a própria. Não é a idade que define essas mulheres, elas usam jeans, camiseta, transitam por várias faixas etárias com facilidade.

Para deixar mais claro, perennials vem do inglês perenne, traduzido como constante, permanente. Não somos senhoras de meia-idade, somos mulheres que estamos passando pela meia-idade, com melhor saúde que as gerações anteriores. Estamos vivendo nossa plenitude! Cheias de vida e projetos pessoais.

O que mais me chamou a atenção foi um sentimento, porque concordo em número, gênero e grau, não nos sentimos representadas pelo mercado de consumo. Eu me sinto exatamente assim!

E o mercado, o que está esperando para nos enxergar ?!

Charme

chame

Uma das coisas que me chama a atenção é que o comércio ainda não percebeu o potencial de quem está na meia-idade, mas não quer se vestir como velho. Eu não quero!

Assim como também não quero usar as roupas que as pessoas que fabricam números maiores, que são os que eu uso, acham que eu devo usar.

Gente a vida é um charme e eu me sinto assim, alegre, com vontade de inovar, olha só esse look aí de cima. O cara é grisalho, mas super de bem com a vida, óculos estiloso, camisa também, nada demais, apenas um azul que lhe cai muito bem.

Amo ousar nos meus óculos, tenho um rosa transparente, um preto e marfim e um azul. Se é pra usar óculos vamos inovar, expressar o que somos.

Me pergunto o porquê da ditadura de cores escuras para pessoas de meia idade, claro que um pretinho sempre cai bem. Mas tem que usar marrom, azul marinho, cor de vinho e preto todos os dias?!  Sai pra lá! Quero colorir a minha vida!

Por favor tratem de avivar as suas vidas, façam da meia idade um momento de expressão da vida, da alegria de viver essa fase.

 

 

Tragédias pessoais


Todos nós temos as nossas tragedias pessoais, algumas menores outras não. Vou falar de uma que me atingiu na casa dos cinquenta anos, me testando a capacidade de superação no limite máximo.

Tive outras em minha vida, ainda jovem, a idade me ajudou a superar a perda do meu pai, do tio Juvenal, muitíssimo querido, da minha amada avó e de uma filha, ainda na gravidez, já adiantada, várias outras perdas, no decorrer da vida.

Mas aos cinquenta anos tudo parece ser mais lento, até a superação…

Em abril de 2015, a minha irmã de coração, amiga de uma vida, desapareceu, em Pelotas, cidade em que nasci e vivi por mais de trinta anos. Entrou em casa pela última vez na noite do dia 9. Cláudia Pinho Hartleben nunca mais seria vista!

Ainda lembro, com tristeza, do telefonema do meu filho me avisando, na madrugada do dia 11!  Sim, até a tarde do dia 10 poucos suspeitavam que ela estava desaparecida. Colegas da Universidade acharam estranho o não comparecimento dela a uma reunião, nunca faltou a um compromisso profissional, então começou a procura.

Sem saber o que fazer de longe, dediquei o meu primeiro blog para ela, hoje se chama: Para Cláudia – UMA MEMÓRIA ETERNA!

Boa parte dos meus cabelos ficou branca, um desaparecimento não é superável, nunca acaba. Apenas passei por ele e venci a depressão que começou a se instalar escrevendo sobre a Cláudia e para ela.

Ficou uma eterna saudade…

Quem disse?!

salto de paraquedas - maio 2010

salto de paraquedas – maio 2010

Pós cinquenta, porque ainda nos preocupamos sobre o que as pessoas vão pensar?! Porque precisamos da aprovação dos outros?!

A resposta é: reconhecimento, buscamos no decorrer de nossas vidas, primeiro  dos pais, depois na família, amigos, escola, parceiro, filhos, trabalho e assim vida afora… É dessa forma por tanto tempo que pode nos levar a esquecermos de quem realmente somos, gostaríamos de ser ou ter sido.

Mas agora, volto a dizer, rompemos a barreira dos cinquenta, metade da vida se foi, está mais do que na hora de ser o que se quiser ser.

Pare de imaginar o que os outros vão pensar ou dizer. Olhe para dentro de si e se pergunte: o que você quer?! Se não é ilegal, imoral ou engorda (esquece esse)… Vá em frente, se agrade, pare de satisfazer os outros, já passou boa parte da sua vida fazendo isso.

Eu sei, é difícil, foram anos de treinamento intensivo de se boicotar, para agradar quem estivesse ao lado. Tudo na vida tem um começo, estou propondo que você inicie agora a se olhar e responder, quem você realmente é e o que você quer fazer daqui para frente.

Quem disse que não dá?! Quem disse que não pode?!

Boa tarde pessoal!