Moqueca de forno e tem da preguiça também

Moqueca de peixe é uma delícia, dando pouco trabalho para fazer é ainda melhor, pois não?!

Hoje não quero trabalho, mas quero comida gostosa, então vamos que vamos…

– 6 filés de merluza ou de tilápia (pode ser qualquer outro peixe que você goste)
– 4 tomates maduros médios ou 3 grandes (MADUROS!) em rodelas
– 1 cebola em rodelas
– 1 pimentão pequeno em rodelas
– 1 dente de alho espremido
– suco de meio limão
– 4 colheres de sopa de azeite ou de dendê
– 1 garrafa pequena de leite de coco (200 ml)
– 1 ramo de coentro (opcional)
– sal e pimenta a gosto

* se gostar mais vermelhinha pode colocar colorau.

Tempere os filés com o limão, alho espremido, sal e pimenta. Numa forma ou prato refratário (eu prefiro este) coloque o azeite espalhado por todos os lados, disponha os metade dos legumes cortados em rodelas, intercalando as fatias, coloque os filés e depois a outra metade dos tomates, cebola e pimentão. Por cima o ramo de coentro e adicione o leite de coco. Cubra tudo com papel alumínio. Leve ao forno (médio para baixo) pré aquecido por 25 min. Cuide para que não seque.

Gostou, mas achou que deu muito trabalho… Sei! Então tá, vou facilitar a sua vida! E seja o que Deus quiser…

Moqueca da preguiça

– 6 filés de peixe
– 1 lata de molho de tomate
– 1 garrafa de leite de coco
– 2 colheres de azeite ou dendê
– meio limão
– 1 dente de alho
– sal, pimenta a gosto

* se gostar mais vermelhinha pode colocar colorau.

– papel alumínio

Tempere os filés de peixe com o limão, sal, pimenta, e alho espremido, unte uma forma ou prato refratário com o azeite, coloque 1/3 do molho de tomate, disponha os filés, despeje por cima o restante do molho e o leite de coco. Cubra o prato com papel alumínio e leve ao forno pré aquecido por 25 min, tendo cuidado para não secar.

Tá bom agora?! Eu acho que sim! Amo esse prato.
Pode se lambuzar!

Comida marcante

comida brasileira

 

Há alguns anos eu fiz um curso de gastronomia, quando aprendi que temos três gastronomias mais diferenciadas e significativas no Brasil.

Temos três comidas que são as mais marcantes, a de Minas Gerais, a da Bahia, e a do Pará. Essas três gastronomias no Brasil marcam incrivelmente a história da comida do nosso país.

Eu particularmente gosto das três, como mais a mineira pela proximidade, mas as duas que realmente me encantam é a baiana e a paraense. São inigualáveis por sua origem.

Minas tem a sua base na carne de porco, a Bahia usa o dendê, e a culinária do Pará, que é indígena, tem a mandioca com base.

No Para o uso da mandioca é pleno, inclusive o da folha que vira tucupi, fervendo a mandioca brava por 7 dias, é o suporte para quase toda culinária paraense.

A da Bahia o fundo culinário vem da África do dendê e das pimentas.

Amo tutu de feijão, leitão a pururuca, moquecas, acarajé e abará, bonito no tucupi, maniçoba, caldeirada paraense e arroz com jambú. Deu água na boca!

Tive o privilégio de conhecer cada uma delas na sua terra natal, que delícia comer se servindo num fogão à lenha em Minas, conhecer o Ver-o-Peso e todos os ingredientes do Para, depois almoçar uma maniçoba nas Docas, sentar no Rio Vermelho em Salvador para se deliciar com um acarajé.

Sou apaixonada por comida suas origens, suas motivações, suas influências, e acredito que a culinária é a definição da cultura de um povo.